Tráfico de Influência: Tomasz Dowbor enfraquece luta contra Corrupção de JLO

A luta contra Corrupção anunciado pelo Presidente João Lourenço, tem enfraquecido nos últimos dias, com actuação selectiva da procuradoria geral da República, que sob olhar silêncio persegue outros e deixa em liberdade muitos membros do partido MPLA, como é o caso do empresário Polaco Tomas Dowbor e seus pares .

DR

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

A luta contra Corrupção anunciado pelo Presidente João Lourenço, tem enfraquecido nos últimos dias, com actuação selectiva da procuradoria geral da República, que sob olhar silêncio persegue outros e deixa em liberdade muitos membros do partido MPLA, como é o caso do empresário Polaco Tomas Dowbor e seus pares .

NAscido em 1974, em Varsóvia, Tomasz Dowbor vive há mais de 20 anos em Angola, empresário polaca que adquiriu a nacionalidade angolana via casamento com cidadã nacional, já teve mais de quatro mulheres , tendo se destacado como empresário no sector imobiliário.

O mesmo lidera o Grupo Boavida (GBV) que opera nas áreas da indústria, agricultura, pecuária, mineira e madeira, congregando em si, três mil trabalhadores.

Fontes do Repórter Angola, dão conta que o império de Tomasz Dowbor , que se estende desde Grupo Urbanização Boa Vida a Construtora Poltec Investimento SA, é responsável pela construção de vários condomínios (Infinity Residence 1, o Condomínio Ville Vermont, o Solida Plaza, o Vereda das Flores, o Condomínio Hipicus e o Real Park.) na Urbanização Nova Vida.

 

FALSA PROPAGANDA DE EMPREGO.

para limpar a sua imagem de várias acusações de corrupção, branqueamento de capitais e exportação de devidas para o exterior de forma ilícita de que é feito ao empresário, Tomasz, organizou recentemente uma feira de emprego com 500 vagas, onde mais de 20 mil cidadãos aderiram a busca do primeiro emprego.

Na realidade, não se passava de uma propaganda enganosa, visto que nenhum cidadão foi selecionado para trabalhar este ano, ficando todos condicionados para fevereiro de 2022, factor que segundo o analista, Agostinho Dos Santos, ” não passa de propaganda eleitoralista, esse senhor é do MPLA, e esse mesmo partido prometeu 500 mil empregos durante a campanha de 2017, Dowbor actua no mercado há mais de 20 anos, não realizou feiras do emprego em 2009 ou até 2014 o porquê? Já que foi eleito secretário de um dos CAP do MPLA, daí pretender chegar a candidatura de Deputado a Assembleia Nacional nas próximas eleições, por que prometeu empregar mais de cinco mil este ano e dez mil trabalhadores no próximo ano” declarou ao portal online Repórter Angola, o analista que considera ” propaganda enganosa do empresário”.

 

Nesta feira, o atendimento foi considerado de desorganizado por muitos candidatos que pretendiam buscar o emprego, com empurrões e situações de quase pancadaria, fazendo com que agentes da PolíciaNacional e do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros fossem obrigados a intervir.

 

No meio da confusão, houve jovens que ficaram feridos.

 

A presença de muitos jovens próximo às bermas da estrada criou engarrafamento nos dois sentidos da via expressa, obrigando efectivos da Unidade de Trânsito a intervir.

Segundo a fonte deste portal, nenhum dos feridos foi socorrido pela organização.

“Saí de casa a procura do emprego e voltei com ferida, quase desmaiada” conta Helena Miguel ao Repórter Angola, com ferimento na cabeça que levou seis pontos.

 

Protegido pelos Camaradas !

 

Em Dezembro de 2015, ofereceu a sede provisória do Comité do MPLA, no município de Belas, que fora, na altura, inaugurada pelo então secretário Geral, Julião Mateus Paulo “Dino Matrosse”. O edifício – localizado na via expresso, no cruzamento com a estrada do Lar Patriota – foi construído com fundos próprios pela sua empresa Construtora Poltec Investimento SA.

Quatro anos mais tarde o empresário é eleito secretário do MPLA no CAP 169, nesta urbanização, com intuito de chegar a Deputado na Assembleia Nacional.

 

PGR sob olhar silêncio, actuação do Polaco Tomasz Dowbor.

 

A passado um ano, desde que Tomasz Dowbor foi ouvido a 24 de junho de 2020, pelo Tribunal de Luanda, nada foi feito tanto pela PGR bem como pelo próprio tribunal, visto que a sua estrutura empresarial GBV, foi apresentada nos relatório do BNA do BNA sobre a falência do BANC, como a entidade que terá beneficiado de empréstimos na ordem de 2 mil milhões de kwanzas, investidos no ramo da construção.

Fontes indicam que a proteção do mesmo está no seio do partido MPLA, visto que os administradores do extinto BANC foram condenados e o polaco continua sem sansões.

 

Segundo uma fonte deste Portal, ao ser ouvido, na sessão que foi até cerca das 22h, o corpo de jurado, tomou nota que as empresas de Tomasz Dowbor usadas para pedidos de créditos não estavam em seu nome mas de “testas de ferro” que trabalham para si como motoristas e outras colaborações, e que lhe teriam passado uma procuração que lhe permitia proceder as suas operações, segundo uma fonte deste portal que domina o processo, junto do Tribunal.

 

A fonte avança igualmente que o Tribunal de Luanda ouviu neste mesmo dia, os alegados “testas de ferra” tendo estes deixado claro que apenas emprestaram os seus nomes a pedido do seu patrão, a quem confiam, para registrar empresas. Os alegados “testas de ferro” não participavam na gestão da empresa como também nunca reclamaram lucros a que tem direito como acionistas formais.

Os mesmos mostraram também desconhecimento sobre a mesma divida contraída em seus nomes no BANC.

 

A concepção que ficou patente naquela sala de tribunal foi de que, caso o processo evoluir para crime, as responsabilidade respeitante aos créditos contraídos no BANC recairão aos cidadãos que emprestaram os seus nomes como “testas de ferro” e não a Tomasz Dowbor que não tem o seu nome nas escrituras.

Um desses cidadãos é o jovem conhecido apenas por Sr. Miguel, este por sua vez teme que possa ser responsabilizado .

” Eu nunca me dirigi ao Banco para solicitar um crédito, como é que eu vou pagar algo que nunca emprestei ?, Declarou ao Repórter Angola, indignado com a situação.

 

Fontes revelam que Dino Matross é o principal protetor de Tomasz Dowbor, o general na reserva e ex secretário geral do MPLA, é amigo de longa data do pai do empresário polaco, que já foi diplomata daquele país europeu em Angola, segundo a fonte o ex secretário geral do MPLA estudou com o pai do empresário na Polônia. Matross tem Tomasz como um filho, disse a fonte.

Diante desta afinidade, Tomasz Dowbor aproveitou instalar-se em Angola, com múltiplas influências que faz dele um “protegido” e com facilidades de ter acesso de vários empréstimos e terras para construção.

O Banco BPC lhe aponta como um dos maiores devedor, estando apenas atrás do general Bento Dos Santos Kangamba, com mais de 700 milhões USD.

Recentemente, esteve envolvido num escândalo com a sua ex segunda esposa, a cidadã brasileira Ellen de Andrade Silva que no final do ano passado, publicou vários vídeos nas redes sociais onde mostra estar a ser despejada pela dona do imóvel a mando do antigo parceiro.⠀

Desesperada e em lágrimas, Ellen Andrade vai ainda mais longe nas acusações e diz que o filho que têm não recebe assistência há meses. A brasileira que vive há anos em Angola ameaça postar várias matérias comprometedoras.

Mesmo com várias destas denúncias, a Procuradoria Geral da República, PGR, o serviço de migração estrangeiro e os tribunais, bem como a Assembleia Nacional não reagem, nem para o efeito de perca de nacionalidade angolana, nem para o sancionar. É caso para se dizer que a justiça angolana no que diz respeito a luta contra Corrupção de João Lourenço, tem escolhido pessoas para atacar enquanto protege outros.

Sem gravar entrevista, Tomasz Dowbor esclareceu ao Repórter Angola que “existe uma campanha que visa denigrir o meu bom nome”.

“Ellen Andrade foi minha segunda esposa, e já  foi condenada num tribunal por seis meses de prisão, pelos danos causados” disse.

Dowbor confirmou afinidade com o general Dino Matross, que era amigo pessoal do seu pai.

“Garantimos salários a mais de 4 500 pessoas, estamos a criar postos de trabalho ” explicou o empresário.

 

PUB