Soltos supostos autores do desvio de 30 toneladas de milho da Reserva Alimentar

Os cinco presumíveis autores implicados no desvio de 30 toneladas de milho da Reserva Estratégica Alimentar foram soltos na sexta-feira, por ordem da Procuradoria-Geral da República (PGR) mediante caução.

DR

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Cinco pessoas, entre as quais um cidadão estrangeiro, foram presas em Benguela no passado dia 13,  em posse de 30 toneladas de milho importado para a Reserva Estratégica Alimentar, pelo Serviço de Investigação Criminal, segundo uma nota do SIC enviada ao Repórter Angola.
O caso que levantou muitas  perguntas sobre como foi possível efectuar esse desvio sem a colaboração de pessoas envolvidas no processo. tendo em conta que após assaltos de populares aos camiões de transporte estes estão geralmente sob protecção da polícia.
O oficial de investigação, que pediu anonimato, avançou que os cidadãos detidos, um deles eritreu, representam apenas "a demonstração da existência de uma rede que desvia enormes quantidades".

De acordo com o advogado do processo, Salomão Carlos, o Ministério Público, junto do Serviço de Investigação Criminal (SIC), em função das provas dos autos, entendeu restituir a liberdade dos cidadãos.

 

“O processo deve seguir os seus termos, com base nas investigações para que haja efectivamente a conexão objectiva dos factos apregoados pelo SIC em relação aos verdadeiros agentes que, provavelmente, terão feito o suposto desvio do milho”, disse o advogado, citado pela Rádio Nacional de Angola.

O advogado recorreu ainda à máxima, segundo a qual “é preciso investigar para prender e não prender para investigar”.

Outra fonte ligada à investigação revelou a VOA em Benguela, que o cidadão eritreu terá contactos comerciais com funcionários da empresa que recebe o milho, salientando que não se descarta a hipótese do produto ter saído dos armazéns, tendo em conta as quantidades envolvidas