Simão Toco despede professores sem indenização

Dois professores do Instituto Superior Tocoísta, intentaram uma ação judicial contra a direção da referida academia por terem sido afastados sem a devida indemnização, o caso já passou no SIC Kilamba Kiaxi, agora foi enviado ao Tribunal

DR

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

A direção do  Instituto Superior Politécnico Tocoísta (ISPT), vai sentar no banco dos réus nos próximos dias, para arcar as suas consequências em desobedecer a lei geral do trabalho.

A informação foi confirmada ao Repórter Angola, por uma fonte que domina o processo em segredo da justiça.

A referida instituição, despediu um conjunto de 10 trabalhadores, entre eles professores do ensino superior do ISPT, tendo dois destes recorridos às instâncias da justiça.

Dom Afonso Nunes, líder espiritual e Bispo da Igreja Tocoista, foi acusado recentemente  de ter recebido cerca de 55 milhões de dólares da estatal angolana Sonangol EP, em 2012 para construir o Instituto Superior afecto àquela igreja, no sentido de supostamente enaltecer no meio dos crentes a figura de JES.

 

A informação divulgada no final do ano passado , foi revelada por uma fonte ligada a Sonangol, dizendo se tratar de uma orientação do ex-presidente da república, José Eduardo dos Santos, dada à empresa Sonangol, na altura dirigida por Francisco Lemos.

 

De acordo com informações postas à circular, se trata de um gesto de gratidão pelo trabalho da “bajulação” que Afonso Nunes prestava ao ex-presidente José Eduardo dos Santos, nos seus cultos e nas suas aparições pública em que orientava o sentido de voto dos seguidores, ao MPLA.

Segundo a mesma fonte, Dom Afonso Nunes apresentou, em uma audiência com o ex-presidente da república, o projecto para construção de uma universidade, como o mesmo não tinham financiamento, recorreu a José Eduardo dos Santos, que por sua vez orientou que o dinheiro saísse dos cofres da Sonangol.

Foi igualmente sabido que o destino dos 55 milhões de dólares, não foi especificado por saber se era uma doação ou empréstimo, sendo que a Sonangol limitou-se apenas a transferir para a conta da referida igreja.

 

“É um valor bastante elevado para uma doação. Na lista dos devedores desta empresa estatal consta o nome do Bispo Afonso Nunes, mais por orientação do partido MPLA, o nome não pode sair, porque a igreja do bispo ainda é uma célula activa do partido” revelou a fonte.

 

Refere-se que o dinheiro que esta igreja recebeu da Sonangol, serviu para construir o ISPT, tendo outra parte seguido um caminho que ninguém conhece, numa altura em que factos apurados dão conta de que, os membros daquela igreja, não têm coragem de pedir contas ao Bispo Afonso Nunes.