Registo eleitoral arrancou quinta-feira em Angola

Os partidos políticos com assento parlamentar na província angolana da Huíla estão prontos para fiscalizar o processo de registo eleitoral oficioso previsto para arrancar nesta quinta-feira, 23.

DR

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

O ministro da Administração do Território, Marcy Lopes, procedeu na manhã desta quinta-feira (23), em Cacuaco, Luanda, a abertura do início do Registo Eleitoral Oficioso em todo país, em representação do Presidente da República, João Lourenço.

O ministro esclareceu que o processo que vai decorrer até o mês de Março de 2022 espera ter na sua base de dados mais de 12 milhões de eleitores.

“O registo eleitoral oficioso visa assegurar que todos os cidadãos maiores, com capacidade eleitoral passiva, possam actualizar o seu registo eleitoral para exercerem o seu direito de voto nas eleições gerais de 2022”, precisou Marcy Lopes.

Na Huíla, serão abertos 42 Balcões Únicos de Atendimento ao Público (BUAP) destinados ao processo para atender os 14 municípios.

João Elias, do Partido de Renovação Social, (PRS), diz que a sua organização vai aplicar-se na mobilização dos cidadãos ao registo.

“Vamos mobilizar a nossa população de maneiras que sejamos capazes de enfrentar o futuro”, garantiu.

O secretário da CASA-CE, no Lubango, Domingos Clemente, pede transparência no processo.

“Essa parte informática e técnica precisa de ser revista”, disse, fazendo notar ainda que o processo poderá encontrar dficuldades por existirem comunas onde não há indetificação das pessoas.

 

Para o secretário provincial da UNITA, Augusto Samuel, a máquina está afinada para este desafio e inclusive para detectar eventuais desvios da lei.

“Temos connosco alguma experiência do passado em que infelizmente os operadores desses processos muitas das vezes desviam-se naquilo que são os preceitos legais e fazem aquilo que lhes convém”, afirmou Samuel indicando a importância da fiscalização, mas “nossos militantes estão preparados para detectar esses desvios”.

Para lá da emissão do cartão de eleitor o BUAP vai encarregar-se nos próximos tempos da entrega do cartão do munícipe e do bilhete de identidade.

A província da Huíla, actualmente com três milhões de habitantes, é a segunda maior praça eleitoral de Angola depois de Luanda.

PUB