Polícia da Esquadra do Engivias acusada de cobrar dinheiro de combustível para socorrer ocorrências participados por cidadãos

Ocorrência aconteceu está terça-feira19, quando a cidadã Macaía dirigiu-se aquele posto policial para participar sobre um furto de mais de 16 folhas Xapas de Zinco na sua residência. No posto policial,a cidadã diz que lhe foi cobrado dinheiro para combustível do patrulheiro da Polícia Nacional.

DR

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

A jovem enfermeira, que viu os meliantes a roubarem as Xapas da sua casa já zingados, diz que ficou amargurada ao ouvir da polícia a cobrar o dinheiro para ir atrás de um meliante já identificado e vizinho do bairro.

“Vim fazer uma participação sobre um furto de xapas de Zincos ocorrido na minha obra, por detrás da esquadra do Engivias, no posto policial, depois de participar na Esquadra , fui na porta do SIC fiz a mesma coisa e encaminhar-me para uma outra porta onde encontrei o senhor do BINFOP, conhecido apenas Chefe Motta, este que determina se patrulheiro saí ou não saí, e este por sua vez alegou : se dinheiro de combustível para a deslocação do patrulheiro afim de capturar o presumível autor , cujo os trilhos do carro de mão que terá transportado o material entram em sua residência”, conta.

Uma equipa de Reportagem deste portal chegou ao local para confirmar as informações da denunciante e foi mais uma vez mal atendida por uma agente da Polícia na porta de arma.

” Jovens, piquete é aí saiem daqui porra”, respondeu a agente quando lhe era questionada se o comandante da Esquadra se fazia presente no posto.

Contactado o Comandamnte Municipal de Viana, Kapussu diz ser anormal que uma esquadra da Polícia cobra combustível ao cidadão para acudir uma ocorrência participada, pelo que prometeu fazer deligencias.

Ao Repórter Angola, o porta voz do Ministério do Interior Waldemar José, esclareceu que ” o combustível é o estado que dá e não se pode cobrar a um cidadão, salvo hipótese de que poderá ter acontecido em que não há combustível e o patrulheiro está parado em que o cidadão se disponibiliza a abastecer uns 10 a 20 litros da sua inteira disposição e não é cobrar” argumentou, adiantando ainda que ” essa hipótese só poderá ocorrer, em situações que também até a Sonangol fica com escassez” si não, é impossível.

De lembrar que a ocorrência foi participada por volta das 7h, desta terça feira e até ao encerramento desta matéria nada terá sido feito.

HORAS DEPOIS.

Depois da denúncia, o comandante Bispo do posto policial, contactou a nossa equipa para esclarecer o facto,no local o chefe do Posto, Intendente Bispo pediu para que a cidadã denunciante se fizesse presente. Convocada a Senhora Macaía Jocelina indicou o agente em causa que a terá cobrado dinheiro para o combustível.

Desta feita, o furto deixou se ser a preocupação principal, ficou a promessa de que o agente em causa será punido .

PUB