Novo ano sangrento: Desentendimento entre polícias em Luanda causa três mortos

Três pessoas, dos quais dois polícias, morreram e outra ficou ferida, na sequência de um desentendimento entre polícias, devido ao suposto desaparecimento de uma pistola, informou o porta-voz da polícia de Luanda.

DR

Agência Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Segundo o porta-voz do comando provincial de Luanda da Polícia Nacional, Nestor Goubel, por volta das 06:00, um polícia terá disparado contra dois colegas e um civil, tendo de seguida se suicidado.

 

Nestor Goubel referiu que se trata um homicídio voluntário seguido de suicídio, com a ocorrência de disparos, junto do Ministério do Interior de Angola.

 

“[Na sequência das] diligências feitas conseguimos apurar que quatro efetivos em serviço de guarda e guarnição no Ministério do Interior desentenderam-se em função do desaparecimento de uma arma de fogo pertencente ao agente que em vida chamou-se Agostinho Tchissolulu”, explicou.

 

O responsável salientou que o agente acima referido deu falta da sua pistola, no interior da sua viatura, tendo perguntado aos colegas, mas ninguém respondeu.

 

“Preocupado regressaram pelos caminhos que terão passado em serviço e lhes foi dito que a pistola não estava lá, já no local de serviço, no ministério, resolveram efetuar uma revista a todos, quando o agente Manuel Félix responde que a arma estava com ele e isso originou numa briga”, referiu.

 

Na sequência, indicou ainda Nestor Goubel, “insatisfeito por ter entregado a pistola ao proprietário, saiu em busca de uma arma de fogo, de marca Galil, e efetuou vários disparos contra o proprietário da pistola”.

 

“O lesado ainda foi prontamente socorrido para o hospital, e na sequência, o mesmo algoz alvejou mortalmente o agente bombeiro Flávio Neto, um terceiro, civil, transeunte, na altura ia a passar, que foi socorrido também para o hospital”, frisou.

 

O porta-voz da Polícia de Luanda acrescentou que o autor dos disparos “vendo a morte do colega e a dimensão da tragédia que provocara, pegou na arma e cometeu o suicídio”.

 

Nestor Goubel disse que são informações preliminares e que foi aberto um expediente investigativo para apurar mais elementos.