Ministro do Interior angolano empenhado em melhorar condições dos efetivos

O ministro do Interior angolano disse hoje, em Luanda, que o Governo está empenhado em melhorar as condições de vida dos efetivos policiais, quer através de promoções quer pela entrega de habitações, apesar das dificuldades financeiras.

DR

Agência Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Eugénio Laborinho, que discursava na abertura do Conselho Consultivo Alargado do Ministério do Interior (Minint), sublinhou que o sucesso de qualquer organização passa pelo bom desempenho dos seus quadros, desiderato que deve ser assegurado pela entidade empregadora, criando melhores condições de trabalho.

“Consciente disto, a direção do Ministério do Interior tudo tem vindo a fazer para melhorar as condições sociais dos efetivos. É assim que, entre outras ações, vamos entregar, dentro em breve, as habitações do Condomínio Joias do Camama, construído pela Caixa de Proteção Social do Minint”, referiu.

O titular da pasta do Interior reconheceu que as residências não são suficientes para todos, mas é preciso ir-se fazendo esforços nesta direção, para, paulatinamente, resolver-se o problema habitacional dos efetivos, “que é uma das grandes preocupações” do Presidente angolano, João Lourenço.

“O processo de construção de residências é contínuo, apesar da crise económica que o país enfrenta, agravada pela pandemia da covid-19. Por isso, os efetivos que não forem agraciados nesta fase devem manter-se calmos”, apelou.

Eugénio Laborinho adiantou que a direção do ministério tem vindo a promover os seus efetivos, no âmbito do processo de reajuste posto-função, por entender que “a progressão de carreira é uma das formas para motivar aqueles que dão o seu melhor em prol da segurança pública, sacrificando a si e as suas famílias”.

“Outro aspecto que tem merecido a nossa atenção, apesar das dificuldades financeiras, é a promoção gradual dos nossos efectivos, sobretudo os que se encontram com a mesma patente há mais de 10 anos”, referiu.

“Ainda neste capítulo, é importante apostarmos na qualidade e capacidade dos nossos efetivos, dando oportunidade àqueles que estão em melhores condições para ocuparem cargos de comando e chefia, sem esquecer a questão do género, pois, estamos num país em que há mais mulheres do que homens”, realçou.

Também sobre a situação interna no ministério, Eugénio Laborinho lembrou que a Polícia Nacional é o maior órgão do Ministério do Interior e o rosto mais visível da instituição, por isso “deve trabalhar, sempre, no sentido de manter a sua imagem e o bom nome, conquistados ao longo dos anos”.

“O ato de expulsão de efetivos que realizou, recentemente, deve ser entendido como sinal de rigor e exigência de uma organização idónea, que não pactua com comportamentos indecorosos”, disse, referindo-se à recente expulsão de dez efetivos por extorsão.

 

“A corrupção ou o fenómeno da ‘gasosa’, o peculato, o nepotismo e outras práticas perniciosas devem ser prevenidas e combatidas, não só na Polícia Nacional, mas no seio de todos os órgãos do Minint”, salientou.

 

Angola vai realizar eleições gerais em 2022, nesse sentido, Eugénio Laborinho exortou as forças de segurança pública a prepararem-se para assegurar eficazmente o pleito eleitoral, tarefa que vai começar nos próximos dias com o início do registo eleitoral.

“Tudo devemos fazer para garantir que o registo eleitoral e as eleições gerais decorram sem sobressaltos, de forma ordeira, exemplar e com tranquilidade”, referiu, apelando a todos os atores políticos a respeitarem o os princípios consagrados na Constituição e na Lei, independentemente da cor e da filiação partidária.

PUB