Ministra da Educação Luísa Grilo já foi reformada voltou a pedido da OMA

Luísa Maria Alves Grilo, nomeada para o cargo de ministra da Educação já estava na reforma após longos anos de trabalho no mesmo Ministério como Directora Nacional para o Ensino Geral, soube de fontes seguras o Repórter Angola.

DR

Mwene Hondaxala

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Luísa Grilo que passou a vida em Portugal, é natural de Malanje nascida nos anos 53, a idosa de 68 anos, é considerada no círculo do Ministério da Educação MED, como uma péssima gestora nomeada pelo Presidente João Lourenço .

Vale recordar nas funções exercidas pela Luísa Grilo, todas nunca tiveram sucessos nem êxito, desde Coordenadora do Programa “Escolas Amigas da Criança”, esse programa com financiamento da UNICEF foi inclusive anulada por que milhares de crianças ainda continuam fora do ensino.

Luísa foi ainda Coordenadora das Equipas Técnicas do MED 52.ª e 58.ª Sessões da UNESCO, em Paris, uma viagem considerada turística e não de trabalho, esbanjamento de verbas do estado alocado as despesas e custos , pós não se assistiu nenhum resultado dessa missão à Paris.
Luísa Grilo com tamanha sorte que têm e por ser militante da OMA, foi ainda Gestora do Projecto de Formação Contínua de Professores do Ensino Primário, mesmo com financiamento União Europeia, a formação nunca foi continua aos professores salvo capacitação pedagógica de 7 dias no início de cada ano lectivo, mais uma fracassada nomeação.
Foi também Gestora de Fundos do Projecto de Apoio ao Ensino Primário, com financiamento da União Europeia, nenhum resultado positivo, enquanto o ensino primário necessita tanto, assistimos até 2015 que mais de 8 milhões de crianças estavam fora do sistema de ensino, como é que a Luísa Grilo geriu tais fundos de apoio?, Questiona um quadro sénior do MED.
Ainda foi Coordenadora da Unidade de Género do MED e ponto focal para as questões de Género no contexto do sistema educativo, com bastante financiamento da UNICEF, não se fez sentir o efeito dessa missão.
Por último foi o Banco Mundial a financiar Aprendizagem para todos em Angola, foi indicada Coordenadora da Componente dois do Projecto Aprendizagem para Todos, aqui Luísa Grilo veio mutilar a educação, não se aprendeu nada.
Fracassou também quando foi nomeada Coordenadora da delegação angolana na Iniciativa das Nações Unidas para a Educação da Menina (UNGEI), sede da Federação das Mulheres Africanas Educadoras (FAWE).
Já como Directora Geral do Instituto Nacional de Formação de Quadros da Educação, do Ministério da Educação, apenas era um cargo para o inglês ver, visto que pratica este Instituto já não representa nada, até que finalmente foi socorrido pela IFAL e ENAD.
Antes de ser aposentada foi nomeada Directora Nacional para o Ensino Geral no Ministério da Educação, é nesse último mandato da Luísa Grilo que se registrou várias greves dos professores.
Finalmente chega a Ministra, Angola não têm nenhum livro da 1* a 6* Classe actualizado, desde 2012, a Gráfica DAMMER de Kopelipa que faz impressão dos livros através do INIDE já não tem capacidade, pós o seu patrono encontra-se aposentado.
É caso para se dizer que as apostas de João Lourenço para alguns cargos chaves da nação tem deixado muito a desejar.

PUB