Médicos angolanos suspendem greve e retomam trabalhos segunda-feira

A greve cumprida há mais de uma semana por médicos angolanos foi  suspensa, depois de um acordo com o Ministério da Saúde de Angola, disse à agência Lusa o sindicato dos profissionais de medicina.

DR

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

A greve cumprida há mais de uma semana por médicos angolanos foi  suspensa, depois de um acordo com o Ministério da Saúde de Angola, disse à agência Lusa o sindicato dos profissionais de medicina.

 

Segundo o presidente do Sindicato Nacional dos Médicos de Angola (Sinmea), foi dado o prazo de 90 dias para a entidade patronal responder aos pontos que constam do caderno reivindicativo, entre os quais a questão dos aumentos salariais.

 

Adriano Manuel disse que segunda-feira os médicos regressam aos seus postos.

 

Relativamente à sua recolocação e à nulidade do seu processo disciplinar, o sindicalista disse que volta a trabalhar no Hospital Pediátrico David Bernardino, tendo sido retirado o procedimento disciplinar.

 

Instado sobre que cedências fez o sindicato a favor da entidade patronal, Adriano Manuel disse que uma delas foi o pedido de indemnização que exigia o caderno reivindicativo.

 

O presidente do Sinmea, médico pediatra, encontrava-se afastado do seu posto de trabalho há um ano e nove meses, depois de ter denunciado a morte de dezenas de criança em apenas um dia no banco de urgência do Hospital Pediátrico David Bernardino, o que lhe valeu um processo disciplinar e a transferência para a área dos recursos humanos do Ministério da Saúde.

 

Sobre a melhoria de condições de trabalho, o presidente do Sinmea referiu que foram criados grupos de trabalho com responsáveis do setor, para se encontrar uma forma de dar resposta dentro do prazo de 90 dias.

 

As partes chegaram a acordo, depois de uma reunião realizada sexta-feira, pondo fim à greve iniciada no dia 06 deste mês.