Médicos angolanos preocupados com falta de condições nos Hospitais públicos e alertam “colapso” de fármacos

O sindicato dos médicos denúncia falta de condições nos Hospitais públicos, diz que existem casos em que os pacientes são tratados no chão ou nas cadeiras, devido a enchentes nas poucas camas existentes que chegam aglomerar até três doentes.

Jonas Pensador

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

A informação foi avançada pelo seu Presidente, Adriano Manuel que alerta para um colapso nos próximos dias, caso o governo não tome medidas excepcionais urgente.

“O sindicato dos médicos de Angola está preocupado com a situação actual da saúde em Luanda” frisou num dos textos Adriano Manuel.

Para o médico “o governo Angolano precisa tomar medidas urgentes sob pena de nos próximos dias, os hospitais terciário entrarem em colapso total”, alertou, manifestando
” tristeza observarmos pacientes a correrem aos hospitais terciário, por falta de médicos, enfermeiros, tecnicos de laboratório RX medicamentos e materiais gastáveis no sistema primário e secundário”.

Adriano Manuel denunciou ainda que ” em plena pandemia de covid 19, observamos nos hospitais, pacientes  a fazerem hemostransfusao no chão e nas cadeiras”, porque “as camas estão a ser divididas por mais de três pessoas, incumprimendo totalmente com as medidas de biossegurança”.

O pediatra que lidera a classe dos médicos angolanos diz estar
Observar  com ” muita preocupação o número elevado de pacientes com doenças diarreicas agudas, com Gastroenterite, com desidratação grave.
Paciente provenientes dos centros de saúde, bem como dos hospitais da periferia com desidratação grave morrendo na porta dos hospitais” e apela em nome da classe o Governo a trabalhar com urgência no sentido de se recolher o lixo em Luanda.

PUB