Matou Fugiu: Tenente do Exército procurado pelas autoridades por homicídio de uma jovem de 17 anos em Viana de

A Polícia Nacional (PN) e o Serviço de Investigação Criminal (SIC) procuram o principal suspeito do homicídio de uma jovem de 17 anos, estudante, morta com dois disparos de Kalashnikov, no bairro da Caop, município de Viana, em Luanda, um tenente das Forças Armadas Angolanas (FAA) é acusado em fuga.

DR

Novo Jornal

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Segundo a polícia, o acusado, identificado pelas autoridades como Carlos da Fonseca Pedro, 49 anos, colocado no Exército, assassinou a vítima por motivos “fúteis”, ou seja, após a vítima, a 23 deste mês, ter ido à procura da sobrinha do homicida, sua (amiga) e também pertencente às testemunhas de Jeová.

A polícia, que conta com a ajuda do SIC-Luanda, procura o homem em contra-relógio para evitar que se some mais vítimas e que seja detido o quanto antes.

Isto, devido a relatos que as autoridades ouviram no bairro da Caop, aquando da perícias e exames forenses no local do crime, de que o homem tem um histórico de comportamento violento recorrendo sempre à arma de fogo com a qual costuma efectuar disparos aleatórios.

Gilberto Figueira, tio da vítima, disse ao Novo Jornal que a sua sobrinha tinha algumas amigas e irmãs testemunhas de Jeová, mas questiona-se sobre o porquê de o oficial das Forças Armadas Angolanas ter reagido com dois disparos pelo facto de a sua sobrinha ter batido à porta da habitação do homicida.

“A minha sobrinha simplesmente foi bater à porta para contactar familiares daquela casa, do vizinho militar que até tem filhas e filhos que também são religiosos. O senhor recebeu a minha sobrinha com dois tiros”, conta, ressaltando que não importa os motivos, “não lhe dá o direito de efectuar disparos pelo facto de alguém ter batido à porta da sua residência”.

O tio de Márcia Caxito, assassinada pelo militar foragido lamenta a perda da sobrinha da forma mais cruel, o que o leva a pensar que é preciso “reflectir seriamente” sobre a sociedade que se está a construir em Angola

PUB