Malanje: Professores cubanos que recusaram vacina contra a Covid-19 estão infectados

Instituto Politénico teve que encerrar e desconhece-se porque os cubanos recusaram ser vacinados, Dois professores cubanos que se recusaram ser vacinados contra a Covid-19 testaram positivo para o coronavírus, casos que, juntamente com um outro não identificado, levou ao encerramento no Pólo II do Instituto Superior Politécnico de Malanje.

DR

VOA

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

O coordenador da Comissão da Covid-19, Mateus Gonçalves, disse que na semana passada depois de uma docente ter testado positivo “fomos desenvolvendo as ações epidemiológicas, buscas e estabelecer o vínculo epidemiológico, a cadeia de transmissão e notificamos os potenciais contactos desta mesma professora”.

Alguns dias depois “dois docentes da mesma brigada cubana também testaram positivo”.

Os integrantes das brigadas cubanas não estão imunizados com a vacina da AstraZeneca, única administrada em Malanje, alegadamente por cumprimento de uma orientação superior ao contrário dos nacionais.

“Os professores nacionais estão 100 por cento vacinados já com a segunda dose”, disse Gonçalves.

“Encontramos alguma dificuldade em vacinar os professores da brigada cubana, sobre alguma orientação, isso também nos preocupa”, acrescentou Gonçalves, esclarecendo que “estamos a negociar com a Antex e também os coordenadores das brigadas cubanas, no sentido de submeter esses docentes ao processo de vacinação”.

A Antex é a companhia que gere a contratação de pessoal cubano, mas desconhece-se a razão porque não foi autorizada a vacinação do pessoal cubano e de onde veio essa “orientação”.

Espera se que as aulas possam recomeçar nesta quinta-feira 17 de Junho.

PUB