Mais de 500 estudantes finalistas pedem ajuda para regressar ao país

Um total de 502 estudantes angolanos que, em Julho último, concluíram a formação superior em Cuba, clama pela intervenção do Executivo para o regresso ao país, através dos voos humanitários, realizados no âmbito do repatriamento de compatriotas retidos no exterior, devido a pandemia da Covid-19.

DR

JA

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

via WhatsApp, o presidente nacional interino da Associação de Estudantes Angolanos em Cuba, Adalberto Gonzaga Chialuca, explicou que, de acordo com uma nota do Sector de Apoio Estudantil da Embaixada de Angola em Cuba, o regresso dos primeiros 164 bolseiros estava inicialmente previsto para o dia 28 de Agosto, mas foi adiado para 4 de Setembro. “Infelizmente, o voo de 4 de Setembro também foi cancelado e remarcado para 11 de Setembro”, lembrou.

Acreditando que iriam regressar no dia 11 de Setembro, referiu, os estudantes optaram por uma gestão racional dos bens alimentares e dos parcos recursos financeiros que tinham, bem como pela devolução de tudo que pertencia aos internatos onde estavam alojados. Antes da data do embarque, isto é no dia 9 de Setembro, os 164 bolseiros foram transferidos para uma unidade hoteleira de Havana, capital cubana, para o cumprimento da quarentena obrigatória.

Acto contínuo, acrescentou, os 164 estudantes realizaram teste da Covid-19, cujos resultados foram negativos. “Por isso, estavam todos em condições de regressar ao país”, frisou. Para a surpresa dos bolseiros, o voo do dia 11 de Setembro foi igualmente cancelado a última hora. Adalberto Gonzaga Chialuca disse que, segundo o Sector de Apoio Estudantil da representação diplomática de Angola em Cuba, não há previsão de voos humanitários da TAAG para aquele país caribenho.

“Já estamos há quatro meses desde a realização das cerimónias de formatura e queremos regressar ao país. Pedimos ao Executivo a resolução do problema, uma vez que países como Portugal, Brasil e outros, têm estado a receber voos humanitários da TAAG”, sublinhou. Adalberto Gonzaga Chialuca revelou que a aflição tomou conta dos estudantes, por verem cada vez mais, adiado o tão esperado momento de estarem junto dos familiares e amigos.

O presidente interino da Associação de Estudantes Angolanos em Cuba referiu que foram graduados bolseiros de quase todas as províncias de Angola, nas áreas de Medicina Geral, Tecnologia de Saúde, Estomatologia, Análises Clínicas, Economia, Direito, Turismo, Ciências de Educação, Engenharia, nos seus diferentes ramos, Física e outros.

PUB