Mais de 120 ATM de Multicaixas removidos pela Emis causa enchentes nos Bancos

Luanda tem registado nos últimos dias, um enchente e longas filas nos Bancos com cidadãos a procura dos seus valores depositados nas dependências bancárias , afinal Emis a empresa gestora dos ATM já removeu os aparelhos de pagamento automático.

Jonas Pensador

Repórter Angola.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

O Repórter Angola, constatou um enchente e longas filas nos Bancos comerciais, e contabilizou uma movimentação de mais de 89 ATM, vulgo Multicaixa.

Nos arredores do Kilamba Kiaxi, por exemplo os dois ATM do Banco Sol no Avó kumbi, os do Banco Atlântico e Banco BIC foram removidos.

Junto a universidade UTANGA, a Emis retirou dos serviços os ATMs do Banco BPC e banco sol num total de quatro.

Este portal constatou que nas imediações da Viação e Trânsito do Palanca, no famoso ” Kayongo”, foram removidos os ATMs do Banco BNI, os dois que existiam.

A nossa ronda notou também a ausência de ATM do banco BFA junto a Universidade Católica de Angola no bairro Palanca, igual cenário é assistido nas imediações de Viana Estalagem, Vila de Viana e no centro da cidade.

Nas imediações do primeiro de Maio, o Repórter Angola constatou também que a Emis retirou os Multicaixas da avenida Ho Chi Mi, nomeadamente junto ao triângulo do Zé Pirão, Banco BAI, Banco Econômico junto a Faculdade de Direito da UAN .

População ouvida pelo Repórter Angola dizem-se constrangidos.

” A ausência de muitos ATMs está a causar muito impacto negativo nas nossas vidas, há muito enchente e longas filas” denúncia Victor Silva da Conceição.

Para Manuela Dos Santos, ” levar uma bebê recém nascida tem sido uma das soluções para evitar esperar duas a três horas na fila do Multicaixa, não está a ser fácil, depois se aproximam as festas ” frisou.

Joaquim Nogueira disse ter passado 4horas na fila de um banco para levantar 10 mil KZ.

” Já não estou a entender nada, cheguei às 9h e saí da fila as 13h50 , quando estava a precisar apenas Dez mil Kwanzas, não posso me dirigir no balcão porque o BFA cobra cheque que custa 2500 KZ” denunciou.

PUB