Jornalistas angolanos protestam contra “perseguição” judicial

Pelo menos Sete profissionais, de diversos órgãos, acusados por governantes angolanos de crimes de injúria e difamação, acusam o Estado de os querer silenciar antes das eleições gerais de 2022. Todos respondem na PGR, onde manifestaram esta terça-feira 15.

DR

DW

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Os jornalistas protestaram esta terça-feira (15.06) junto às instalações da Procuradoria-Geral da República, em Luanda.

Journalisten protestieren in Luanda, Angola
Sete profissionais, acusados por governantes angolanos de crimes de injúria e difamação, acusam o Estado de os querer silenciar antes das eleições gerais de 2022.

Os jornalistas protestaram esta terça-feira (15.06) junto às instalações da Procuradoria-Geral da República, em Luanda.

POLÍTICA | 23.05.2021

Um dos manifestantes, Coque Mukuta, considera que os processos contra jornalistas independentes são uma forma de os tentar intimidar a pouco mais de um ano das eleições gerais, agendadas para 2022.

“Estamos na fase pré-eleitoral e, nesta altura, a maior preocupação [do Estado] é instigar medo na população. Se até os jornalistas deixam de poder falar, toda a sociedade fica inibida de se expressar”, refere o diretor da página de notícias “O Decreto” e correspondente da rádio “Voz da América”.

Dezenas de processos-crime

Mariano Brás (jornal “O Crime”), Escrivão José (jornal “Hora H)”, Lucas Fenguele (“Clube-K”), Carlos Alberto (portal “A Denúncia”), Jorge Neto e Liberato Furtado juntaram-se a Coque Mukuta no protesto desta ter­ça-feira.

Muitos deles dizem ter sido alvo de mais de dez processos judiciais, por denunciar casos de corrupção nas instituições do Estado. Algumas das acusações remontam à governação do ex-Presidente José Eduardo dos Santos. Outras são mais recentes.

Mukuta responde na quinta-feira (17.06) a um processo movido pela vice-governadora da província do Kwanza Norte, Leonor de Lima e Cruz, por difamação. À DW África, o jornalista garante que nunca fez uma peça jornalística que envolvesse a governante.

“Não me lembro de ter escrito alguma coisa com o nome dela. Por isso entendemos que todas estas acusações estão [mais] ligadas a uma perseguição contra os jornalistas do que a matérias de facto.”

Coque Mukuta diz que os queixosos deviam apresentar primeiro as suas reclamações à Comissão de Carteira e Ética antes de intentarem qualquer processo judicial. Mas isso não aconteceu.

“Asfixia” a jornalismo independente

Alvo de cerca de vinte acusações de injúria e difamação, Lucas Fenguele, um dos responsáveis editoriais do “Clube-K”, acusa o Governo de João Lourenço de tentar “asfixiar” os órgãos de comunicação social independentes.

“Para o Presidente da República, só é jornalista quem é dos órgãos públicos”, lamenta Fenguele. “O Presidente não inclui os profissionais dos órgãos privados (além dos privados que os membros do Governo controlam). Este ano, o ‘Clube-K’ vai completar 20 anos e nunca fomos tidos, nem achados. Mas fomos processados sempre que divulgamos algumas peças.”

 

PUB