INTERPOL analisou hoje tráfico ilícito de produtos e contrabandos nas Alfândegas

Istambul: Participantes da Assembleia geral da INTERPOL, defendem Cooperação e partilha permanente de informações entre a Interpol e a OMA como indispensável, para se realizar, cada vez mais, operações conjuntas, para enfraquecer a capacidade de transportação, importação e exportação, por parte de organizações criminosas, de material ilícitos e que suporta a actividade do crime transnacional e organizado.

DF

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

O período da manhã desta quarta-feira, dia 24 de Novembro de 2021, as abordagens da 89ª Sessão da Assembleia Geral da Interpol centraram-se na aprovação dos Relatórios financeiros da Organização, na apreciação da Estratégia da Interpol para o período de 2022 a 2025, assim como na análise da situação da criminalidade organizada transnational, com destaque para as intervenções do Vice Ministro do Interior do Vietname e do Secretário Geral da Organização Mundial das Alfândegas (OMA), que fizeram abordagens sobre a situação de contrabando de vários produtos a nível mundial.

A parceria da OMA com a Interpol, no que concerne ao combate ao tráfico ilegal de vários produtos, tais como medicamentos, armas e munições, ao longo das fronteiras de vários países, tem sido profícua e apresenta resultados satisfatórios, em relação a descoberta de produtos contrafeitos ou em condições impróprias para o consumo, assim como na apreensão de material utilizado para suportar as operações criminosas, sucesso que só pode ser alcançado com a cooperação policial entre os Estados membros, que fazem recurso a análise de dados e das bases de dados da Interpol, para o desmantelamento de grupos que se dedicam à criminalidade organizada.

Na sessão de hoje, ficou patente que a cooperação e partilha permanente de informações entre a Interpol e a OMA é indispensável, havendo a necessidade de se realizar, cada vez mais, operações conjuntas, para enfraquecer a capacidade de transportação, importação e exportação, por parte de organizações criminosas, de material ilícitos e que suporta a actividade do crime transnacional e organizado.

O uso que as Alfândegas fazem do sistema I-24/7, da Interpol, nos últimos dias, evidenciou-se como sendo crucial na realização das operações Thunders, Stop e Neptunium, que resultaram na apreensão de vários produtos ilícitos, tais como, medicamentos, equipamentos médicos e vacinas contrafeitas.

Para o maior sucesso nas referidas operações, recomendou-se a realização de várias acções de formação conjuntas entre as Alfândegas e os Agentes de Polícia Criminal, assim como acções de mútuo apoio entre a Interpol e a OMA.

Recorda-se que a Delegação angolana, presidida pelo Ministro do Interior, Eugénio César Laborinho, integrada pelo Comandante Geral da PNA, o Director Geral do SIC, Directores do GIC-MININT, GCII-MININT e Director da Interpol-Angola, continua a estabelecer encontros paralelos com Delegações de outros países, à margem da Assembleia Geral da Interpol, com o intuito de abordarem assuntos inerente a cooperação bilateral, no domínio da ordem e segurança pública.

Reitera-se que a 89ª Assembleia Geral da Interpol teve início ontem, 23/11/2021, com os delegados votantes a admitirem os Estados Federais da Micronésia, como 195º País – Membro da Organização.

A reunião presencial de três dias (23-25 de Novembro) reúne um número aproximado de 470 Chefes de Polícia, Ministros e Altos Funcionários da Polícia, de cerca de 160 Países, para identificarem áreas nas quais a INTERPOL pode reforçar a arquitectura de segurança global.

Com a COVID-19, resultando numa pandemia, a problemática dos crimes paralelo, particularmente em relação aos crimes cibernéticos e a exploração infantil via Internet, os delegados estão a discutir propostas, no sentido de se avançar o apoio técnico e operacional da Organização aos Países-Membros, nas áreas acima mencionadas.

No seu discurso, em formato virtual, o Presidente da Turquia, RECEP TAYYIP ERDOĞAN, afirmou que ” É uma honra acolher a Assembleia Geral da INTERPOL, nesta Cidade onde a civilização se reúne. Acredito que este encontro vai contribuir grandiosamente para a segurança e protecção de todos os nossos Países”, referiu o Presidente da Turquia.

Já o Presidente da INTERPOL, KIM JONG YANG, declarou que a aplicação da lei deve continuar a colmatar as lacunas crescentes causadas pelas rápidas mudanças tecnológicas.

“Como Organização, a INTERPOL deve assegurar que os seus sistemas acompanhem a velocidade da mudança. Isto é essencial para abordar a evolução dos sistemas autónomos e as oportunidades de exploração criminosa da mais completa fusão do mundo físico e digital”, disse o Presidente Kim.

O delegado, MEHMET AKTAŞ, Director-Geral da Polícia Nacional Turca, afirmou que “A fim de salvaguardar o nosso futuro, temos de reforçar a nossa cooperação, especialmente na luta contra a criminalidade cibernética e o terrorismo”.

“A nossa estreita cooperação com a INTERPOL, que visa ligar a polícia para um mundo mais seguro, contribui significativamente para a prevenção e eliminação da criminalidade a nível internacional”.

A Assembleia Geral, que foi oficialmente aberta pelo Ministro do Interior turco, SÜLEYMAN SOYLU, resultará ainda nas eleições dos novos Membros do Comité Executivo, bem como do Posto de Presidente.

Reunindo três vezes ao ano, o Comité Executivo é o órgão directivo encarregado de supervisionar a implementação das decisões da Assembleia Geral e a administração, bem como o trabalho do Secretariado Geral.

O Secretário Geral é o responsável pela gestão quotidiana da Sede do Secretariado Geral da INTERPOL em Lyon, França.

O actual Secretário Geral é o Sr. JÜRGEN STOCK, eleito pela primeira vez em 2014, cujo segundo mandato terminará em 2024.

PUB