Inocêncio de Matos morto na Manifestação foi hoje a enterrar

O Activista Inocêncio de Matos, que foi assassinado durante a manifestação de 11 de Novembro em Luanda, foi hoje a enterrar no cemitério da Mulemba , familiares pedem justiça enquanto o Pai exige encontro com João Lourenço

DR

NMC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

O bairro São Pedro da Barra, nunca mais será o mesmo. Resistência, liberdade e justiça, foram as principais palavras ouvidas no adeus ao jovem manifestante, Inocêncio de Matos, de 26 anos de idade, morto durante a última manifestação realizada em Luanda, no dia 11 de Novembro.

Terminou o braço-de-ferro que existia entre a família do activista Inocencio de Matos e a Procuradoria-Geral da República (PGR), devido a imposição posta pela família, que exigia realização de autópsia com a presença de um fotógrafo.

Desta forma, as exéquias, decorreram num ambiente marcado com uma intensa chuva, e de muita tristeza por parte da família, que finalmente despediu-se do seu ente-querido.

Alfredo Mato, pai do malogrado, que falava em exclusivo ao Na Mira do Crime, disse que o momento é indiscritível e que a morte do seu filho, representa uma perda irreparável no seio da família.

“Este é indiscutivelmente daqueles momentos, que nenhum pai ou qualquer membro de uma família gostaria de passar, a morte de um filho, é inconcertável. Perdi todas as forças para continuar a viver, o Inocêncio era o meu maior tesouro”, explicou.

Alfredo Matos lamenta e critica duramente a actitude musculada da Polícia Nacional, ao reprimir ao seu belo prazer, os jovens que por via das manidfestações, exprimem os seus descontentamentos perante as dificuldades por que passam.

“O Inocêncio foi o orgulho da família, não consigo acreditar que partiu para eternidade. Maldita hora em que decidiu fazer parte daquela manifestação”, chorou, para depois reforçar que, “sempre o tive como meu braço direito, alias, foi o único filho em casa”.

Sem muitas palavras, o pai explicou que o filho foi o seu maior pilar, e que via nele todas as suas esperanças, a julgar pelo seu nível academico.

“É um pilar que ruiu. Um filho que sempre teve uma educação de berço, a formar-se na melhor instituição de ensino do país, e é morto naquelas circunstâncias, é uma dor profunda”, lamenta.

Alfredo Matos disse ainda que a família de Inocêncio, depois de se ter realizada a autópsia, predispõe-se em transmitir ao Presidente da República, caso realmente mostre intenção, as peripécias, e os maltratos que a família vai passando em torno do triste acontecimento.

“Estamos disponível em conversar e esclarecer em primeira mão, com a mais alta figura do país, para revelarmos o resultado da autópsia realizada ao Inocêncio de Matos”, finalizou.

Joaquim Manuel, porta-voz dos activistas, disse que a morte do Inocêncio representa uma causa e que vão continuar lutar pela mesma causa.

“O nosso herói partiu em defesa de muitos cidadãos, ele como muitos outros, insatisfeitos com o modelo de governação, resolveu sair a rua para manifestar. Vamos continuar a lutar até triunfarmos, agora com a sua morte, estamos mais fortes”, garantiu.

O Jovem activista, estudante do 3º ano de engenharia, foi sepultado na  manhã deste sábado, 28, no Cemitério do 14.

PUB