Igreja Católica denuncia “assaltos violentos” às suas instituições nos últimos meses

A Igreja Católica angolana tem registado, de "modo dramático, assaltos violentos" às suas instituições, nos últimos três meses, lamentando a "ausência de resposta" das autoridades policiais que, no seu entender, "encoraja os assaltantes".

DR

Rádio Eclesea

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

A preocupação foi manifestada pelo arcebispo de Luanda, Filomeno Vieira Dias, que em declarações  à Rádio Ecclesia — Emissora Católica de Angola –, na semana passada,  denunciou dois assaltos ocorridos em duas instituições católicas da província de Malanje, na última semana, em que as religiosas foram agredidas.

 

A Paróquia da Nossa Senhora de Guadalupe e a Casa das Madres da Congregação das Irmãs de São João Baptista, ambas na província angolana de Malanje, foram assaltadas nos dias 14 e 18 de dezembro, respetivamente.

 

“O que nos preocupa é o suceder contínuo de assaltos às casas religiosas, não obstante as nossas denúncias, os denunciados sentem-se estimulados, sentem-se encorajados a prosseguir nas suas práticas, como que vingando-se ou desforrando-se das denúncias que fomos fazendo”, afirmou o arcebispo à rádio católica angolana.

 

Os bispos da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST) manifestaram preocupação, no passado 07 de outubro, com o alto nível de criminalidade e de insegurança no país, que atingiu no último ano mais de 60 instituições da Igreja Católica.

 

A inquietação foi expressa por Filomeno Vieira Dias, à data presidente da CEAST, na abertura da segunda assembleia plenária ordinária, que se realizou em Luanda.

 

“Nos últimos meses, após os nossos pronunciamentos, em outubro, voltámos a registar de modo dramático assaltos violentos a casas religiosas”, disse hoje Filomeno Vieira Dias, arcebispo metropolita de Luanda, lamentando a falta de resposta policial.

 

“Registámos aqui em Luanda, na Casa das Médicas de Maria, em Viana, registámos na Casa dos Missionários do Verbo Divino, onde um padre foi baleado e outros foram torturados e agora temos um novo caso em Malanje com as missionárias de São João Baptista, no bairro da Carreira do Tiro”, notou.

 

Segundo o prelado católico, em Malanje, as freiras foram “amarradas e depois ameaçadas que lhes seriam cortados os dedos com uma catana, caso não entregassem os pertences: É-nos de facto bastante confrangedor ver que isto tudo acontece”.

 

“E faz-se recurso às autoridades, aos serviços de ordem e segurança e não há respostas, parece que essas pessoas são até animadas, estimuladas à prosseguirem nessa direção, como que dizendo agora hão de sentir, isto é de todo lamentável e de todo condenável”, referiu.

 

A polícia angolana regista “escassez de recursos humanos e técnicos” para dar resposta às preocupações de segurança pública nas 18 províncias do país, como reconheceu, na última semana, o comandante-geral da Polícia Nacional de Angola (PNA), Paulo de Almeida.

 

O comissário-geral da PNA, que falava durante um encontro com os jornalistas, em Luanda, fez saber que a corporação conta atualmente com cerca de 100 mil efetivos, um número que espera ver duplicado até 2025 e responder às necessidades dos 30 milhões de habitantes do país.