Grupo Boa Vida e AIA debatem reconversão da economia angolana com Jornalistas

Denominado fórum de Apoio a reconversão da economia angolana, foi organizado pelo Grupo Boa Vida em parceria com Associação Industrial de Angola ( AIA), uma interação com jornalistas que recomendou ao Executivo Angolano contribuições para a reconversão da economia, assim como a criação em forma massiva de novos postos de trabalho, gerando aumento no consumo, possíveis acções para ultrapassar o quadro económico actual.

DR

Reporter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Com objectivo de Propor aos jornalistas uma abordagem mais clara e eficaz no sentido de

gerar um entendimento do público leitor e ao Executivo acções concretas para melhoria do quadro económico de Angola e Abordar medidas efectivas para a diversificação da economia, o grupo empresarial Boa Vida em parceria com Associação Industrial de Angola (AIA), organizaram esta terça-feira 16, em Luanda o II fórum econômico virado na busca de soluções para estancar a crise económica que o País atravessa desde finais de 2014.

O certame, abordou  a visão estratégica para ultrapassar o actual quadro econômico

de Angola, impulsionamento do sector empresarial, bem como a geração de emprego e apresentou novas percepções para o investimento público e privado.

 

Em declarações ao Repórter Angola, Álvaro Moniz, membro da organização, considerou positivo o evento que juntou mais de uma centena de profissionais da comunicação social.

 

Com pendor multidisciplinar e pedagógico de profissionais da comunicação que serviu para debater e recomendar aos jornaistas em particular e ao Executivo Angolano que por sua vez contribuirá para a reconversão da economia, promoção e  permitir a absorção de termos e conceitos, assim como a criação

de forma massiva dos novos postos de trabalho, gerando aumento no consumo”, considerou.

 

Álvaro Moniz que, reconhece o esforço do governo de João Lourenço na busca de soluções para saída da actual situação, avança que ” o certame visou dos mais variados sectores da economia que tem como objectivo principal, possíveis acções concretas para ultrapassar o quadro económico actual e impulsionar o investimento público e privado, bem como contribuir para se estabelecer um novo paradigma para o bem estar da população, criando condições apropriadas para o desenvovimento do empreendedorismo, novos valores, políticas de governação e liderança” frisou.

 

Os preletores, Tomasz Dowbor, Arquitecto Ilídio Daio,  Luis Lago e  José Severino, foram unânimes em afirmar no fim do fórum que o certame teve como principal benefício, encontrar soluções para alteração da actual situação económica.

 

“Criar a percepção de forma sucinta a actual conjuntura económica e  financeira do país (causa e feito; estado e novas perspectivas)”.

“Entender as estratégias do sistema financeiro do país, suas implicâncias funcionais e responsabilidades no processo de reconversão econômica”.

 

“Apresentação panorâmica para o investimento público e privado e o impulsionamento do sector empresarial e geração de novos postos de trabalho”, foram apontados como soluções.

 

De recordar que o Grupo Boa Vida emprega mais de 5 mil trabalhadores, realizou recentemente uma feira de emprego que visa enquadrar até Fevereiro de 2022, mais de 1500 Trabalhadores.

Foram abordados temas como O OGE 2022 E A FUNÇÃO SOCIAL;

PROBLEMA HABITACIONAL E O EMPREGO, OS PETRÓLEOSE E O CONTEÚDO LOCAL.