Funcionários do Tribunal Supremo decretam greve a partir de quinta-feira 17

Os funcionários do Tribunal Supremo (TS) começam a partir de amanhã, quinta-feira 17, e até ao dia 24 deste mê, um período de greve para exigirem a melhoria de condições laborais e aumentos salariais.

DR

Repórter Angola com NJ

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

A greve será realizada em quatro fases, mas os serviços mínimos estão acautelados, informou esta quarta-feira ao Novo Jornal um membro da comissão sindical, que adiantou que a adesão é já de 80%.

uma nota consultada pelo Repórter Angola, aponta que “Os trabalhadores do Tribunal Supremo (TS), , anuncia uma greve a partir do dia 17 deste mês, que numa primeira fase vai até ao dia 24. Em Janeiro, a paralisação vai voltar a acontecer a partir do dia 11″.
Rafael dos Santos, membro do Sindicato dos Funcionários do Tribunal Supremo, disse que a greve começa às 07:30 desta quinta-feira, 17.
Quanto às reivindicações, o sindicalista avançou que a questão fundamental tem a ver com a equiparação salarial em relação aos outros órgãos de soberania, tais como o Tribunal de Contas, o Supremo Militar e o Tribunal Constitucional, “onde os funcionários têm salários dignos”.

Os trabalhadores do Tribunal Supremo, que reclamam por melhores salários, justificam a greve com a necessidade de se equiparar a remuneração dos funcionários do Tribunal Supremo com a dos funcionários dos demais tribunais superiores, considerando que desta forma poderão ser sanadas “as injustiças remuneratórias que perduram há mais de 5 anos”

Segundo o membro da comissão sindical, face ao tipo de trabalho que fazem, que é de risco, “não é justo continuarem a auferirem salários inferiores aos demais órgãos de soberania”.
“Vivemos inúmeras diculdades e de certeza que qualquer pessoa que disponha de posses e para ganhar vantagem pode corromper-nos
facilmente”, disse, acrescentando que os funcionários pretendem evitar isso.
Rafael dos Santos salientou que o Sindicato remeteu uma carta ao Presidente da República mas não obtiveram resposta, tal como da parte da
entidade patronal.

PUB