Falta de Condições do Tribunal de Viana adia julgamento dos seis fiscais que agrediam inspector-chefe do SIC

O julgamento dos seis elementos da fiscalização de Viana acusados de agressão contra um inspector-chefe do SIC, no Tribunal de Viana, foi adiado "sine die", por falta de condições tecnicas.

Reporter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Fonte do Tribunal informou na noite desta quinta-feira 03, ao RA, que foi adiado o julgamento dos seis fiscais de Viana, marcado para esta quinta-feira,  por razões técnicas.

Os implicados foram detidos na sequência de um vídeo posto a circular nas redes sociais, em que intimidam o Inspector-Chefe de Investigação Criminal Rodrigues Filipe dos Santos, do Departamento de Investigação Criminal de Icolo-Bengo, a quem acusam de “burlador”, como noticiou quarta-feira o RA.

Segundo  os fiscais, o mesmo seria “burlador de terrenos no Zango 3”, versão que o Serviço de Investigação Criminal  já veio a público desmentir, depois de investigar a ocorrência.

Em comunicado de imprensa, divulgado quarta-feira, o SIC esclarece que, na sequência de investigações nas instalações da fiscalização de Viana apurou-se que o oficial acusado de burlador “é possuidor de uma parcela de terra de (15/15=225 m2), na localidade do Zango 3, município de Viana, há mais de 6 anos”.

Acrescenta que o investigador foi notificado pela fiscalização para comparecer naquelas instalações, mas “foi recebido de forma hostil e forçado por empurrões a abandonar o recinto”.

Conforme o SIC, durante a contenda, os fiscais, ao se aperceberem que o mesmo portava uma pistola na cintura, mesmo não tendo empunhado ou feito uso, envolveram-no e tomaram a arma de forma violenta, fazemlndo propositadamente vídeos para exposição da sua imagem.

Denuncia que cerca de 30 fiscais o terão levado para um compartimento onde foi agredido e humilhado”, sublinhando que foi instaurado um processo-crime, determinados e detidos 6 elementos da fiscalização, principais envolvidos na prática desses crimes.

Igualmente, sustenta a nota, foram arroladas as testemunhas que prestaram as suas declarações, sendo que o processo foi remetido a tribunal para julgamento sumário

PUB