Falso pastor Paul Kisolokele lidera Kimbango em Angola com ajuda do Ministério da cultura

Criminoso no Congo é pastor em Angola, Paul Kisolokele mostrou hoje força no estádio 11 de novembro com perto de 200 fieis e seguidores kimbanguista, foragido e procurado pela justiça congolesa, o neto de Simão Kimbango não é permitido a sua entrada na sede internacional "Nkamba" localizada na RDC.

DR

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

A coordenação da polícia judiciária da República Democrática do Congo (RDC) notificou, por quatro ocasiões, a comparência do então líder religioso dissidente em Angola, Paul Kisolokele Kiangani, àquela instância judiciária, desde o ano de 2014, para esclarecer aos crimes em que está ser acusado, entre eles, tráfico de ser humano, tráfico de arma de guerra, falsificação de documentos e branqueamento de capital, em Luanda o suposto pastor é protegido pelo Ministério da Cultura, sob olhar impávido da Polícia angolana que colabora com a INTERPOL.

Paul Kisolokele encontra-se na “mira” da justiça congolesa, desde 2014, por estar associado aos crimes já mencionados e por ter ligações com grupos armados, onde comercializa grandes quantidades de armas fogo. O departamento da polícia judiciária da RDC, numa carta direccionada às autoridades angolanas no despacho com número “DPJ n 479/CGA/2014, alerta e informa às autoridades em Luanda que o cidadão congolês Paul Kisolokele, está a ser procurado pela BCN INTERPOL/ Brazzaville, por tráfico de mais de 60 crianças da RDC, que introduziu em Angola, com propósito de levá-las na Igreja Kimbanguista sob a sua custódia.

A 6 de julho de 2017, Paul Kisolokele teve um encontro com o então candidato do MPLA, João Lourenço actual Presidente da República com quem abordou por mais de duas, questões sobre o seu apoio.

A Igreja Kimbanguista em Angola, não vive uma crise conforme uns querem fazer crer, mas sim, uma dissidência liderada pelo senhor Paul, que rebelou-se contra a igreja mão e o seu líder espiritual Mundial Papa Simon Kimgangu Kiangani, na RDC, onde se encontra a sede universal.

A Igreja Kimbanguista foi reconhecida em Angola desde 18 de Novembro de 1974.