Falsificadores de cartões de Vacina contra Covid-19 detidos

Dois cidadãos de 26 anos de idade, sendo um enfermeiro, subchefe Bombeiro e o outro Agente Comunitário da Associação JUCARENTE, foram detidos por terem emitido fraudulentamente credenciais para registos também ilícitos e posteriormente procederem a emissão de certificados Digitais nos postos onde estavam designados.

DR

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Longas filas tem se registados nos postos de vacinação contra a Covid-19, o que têm dificultado muitos cidadãos que precisam apenas o documento comprovativo e não a própria vacina a socorrerem-se por outras vias da chamada “gasosa” aos funcionários.

O Serviço de Investigação Criminal, através da sua Direcção Central de Operações, mediante denúncia feita pelo Ministério da Saúde, “deteve, por volta das 14h30, desta quarta-feira, 29 de Setembro, na cidade de Luanda, dois cidadãos de 26 anos de idade, sendo um enfermeiro, subchefe Bombeiro e o outro Agente Comunitário da Associação JUCARENTE, por terem emitido fraudulentamente credenciais para registos também ilícitos e posteriormente procederem a emissão de certificados Digitais nos postos onde estavam designados” diz a nota do SIC assinado pelo seu Porta-voz Manuel Halaiwa.

Segundo o SIC, ” a detenção destes cidadãos resultou de um trabalho aturado de investigação criminal, em torno da denúncia feita, o que permitiu a determinação dos autores e consequente detenção”.

“Em posse destes foram encontrados vários documentos desta fraude e apreendidos como meios de prova”, frisa o documento.

Da investigação feita, o SIC apurou que os indivíduos aproveitaram-se da sua posição para inserir desde o princípio do mês de Setembro, no sistema informático nomes de diversos cidadãos, entre pessoas da família, amigos e de alguns expatriados sobretudo de nacionalidade libanesa, sem que lhes fossem adminstradas as vacinas, tudo isto em troca de favores para empregar familiares.

 

Salientar que os cidadãos ora detidos serão presentes ao Ministério Público para responsabilização Criminal, enquanto diligências prosseguem para esclarecer melhor os factos.

 

Entretanto, o SIC apela aos cidadãos a acorrem aos locais de toma da vacina, para posterior aquisição de forma lícito do certificado de vacinação contra à covid-19.

PUB