Expropriação de Terra: Generais Rui Fernandes e Cão Louco acusados de invadir terras da Konda Marta

Tenente-General Rui Fernando, Comandante da Região Militar de Luanda, acusado de querer matar o Diretor da empresa loteador de terras Konda Marta, Daniel Neto. As acusações foram feitas pela vítima ao Repórter Angola. "ele paga diariamente 20 mil kz aos agentes das FAA, que controlam o espaço e ameaçou-me de morte" denuncia.

DR

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

De acordo com a vítima de ameaças de morte, vem desde o mês de Março,  quando Tenete. General Rui Fernando  invadiu o perímetro da Conda Marta com o apoio do Comandante Municipal do Talatona, Joaquim do Rosário, seu genro.

O Tenente-General Rui Fernando, Comandante da Região Militar de Luanda, Sub-comissário Joaquim Rosário comandante municipal da policia de Talatona e o capitão  Rosário Quivota  proprietário do condomínio “ planalto do Quino”, Administradora Rosa Cruz da Cidade Universitária, são acusados de quererem matar director da empresa Konda Marta, Daniel Neto, por sinal Tenente Cooronel do exercito, por ter reclamado a invasão e venda de terrenos pertencentes a Konda Marta, já atribuídos a Administração do distrito Urbano da cidade universitária afeito ao município do Talatona em 2016, por parte de oficiais generais e comissários da Polícia Nacional.

 

“Em 2016, recebemos uma carta dos orgãos de defesa e segurança a fazer um pedido de alguns lotes de parcelas de terras, quando fizemos o loteamento demos cinco lotes de meio hectare e 12 hectare a cidade Universitária a pedido da Administração do  Talatona, acontece que o comandante Rosário e o seu agente chefe da Fiscalização  Sebastião Fernandes Manuel Antonio, vendem os terrenos da Administração, vendem os terrenos deles e vendem os terrenos dos colegas deles e quando estes reclamavam os seus espaços, eram detidos pela Polícia do Talatona a mando do comandante Rosário e passavam nas celas três a quatro dias” denunciou Daniel Neto, em exclusivo ao Repórter Angola.

“foi assim que o sub-comissário Rosário influencia o tenente general Rui Fernandes, comandante , para me suspender do exercito das forças armadas, o cmdt foi constituido arguido e fui ouvido” garantiu.

Em volta da situação, abriu um processo nº 20|20 contra o Comandante da Região Militar de Luanda, como resposta, segundo conta, “estou sendo ameaçado de morte por Comandante Tenente General, disse aos seus efectivos que só pedirá as férias depois de me ver morto. Inclusive, fez as suas influencias, ligaram para mim que existe uma ordem de mandado de captura num assunto que desconheço”, disse Tenente Coronel Daniel Neto.

Daniel Neto, disse ao Repórter Angola que a última acção dos oficiais superior das Forças Armadas Angolanas e Polícia Nacional contou com a presença de mais de 1000 efectivos das FAA e PNA, tendo resultado na destruição de cinquenta residências e, terá  desaparecido cinco milhões de Kwanzas.

Um terreno de 11 hectares, situado em frente à cidade universitária na zona do Sapu de Luanda, está a ser disputado entre a Konda Marta, cuja terra lhe foi concedida pelo Estado angolano para fins agrícolas e entidades das Forças Armadas Angolanas.

Em 1990, a Konda Marta ganhou uma enorme quinta num concurso público promovido pelo Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural.

O contrato durou 45 anos, ou seja, até 2036, mas antes desse período, e mesmo pagando as taxas, começou a perder o terreno.

O campo de 11 de novembro, a atual cidade de Kilamba, e a cidade universitária faziam parte do terreno cedido a Konda Marta, que, segundo os membros da família, tem agora apenas 11 hectares.

 

Em actualização…..

PUB