Eugénio Laborinho destaca empenho do Executivo pela Reconciliação Nacional

O Ministro do Interior, Dr. Eugénio César Laborinho, ressaltou o empenho do Executivo, mormente do Presidente da República, João Manuel Gonçalves Lourenço, na pacificação e reconciliação nacional, através da orientação relacionada a localização e identificação dos restos mortais, das vítimas dos conflitos políticos que ocorreram nas últimas décadas no país. 

Daniel Frederico

Reporter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

O Ministro do Interior, Dr. Eugénio César Laborinho, ressaltou o empenho do Executivo, mormente do Presidente da República, João Manuel Gonçalves Lourenço, na pacificação e reconciliação nacional, através da orientação relacionada a localização e identificação dos restos mortais, das vítimas dos conflitos políticos que ocorreram nas últimas décadas no país.

Eugénio Laborinho, que discursava no acto de entrega dos restos mortais de Elias Salupeto Pena e Dolosi Alicerces, nesta segunda-feira, 15 de Novembro de 2021, no Laboratório Central de Criminalística, em Luanda, afirmou que tudo se fará para que o maior número de famílias possam realizar um funeral condigno dos seus entes queridos.

Ademais, o Ministro do Interior afirmou que os familiares directos dos malogrados foram convidados a oferecerem amostras biológicas, para igualmente permitir a determinação dos respectivos perfis genéticos, visando a identificação dos restos mortais dos malogrados.

“A grande dificuldade consistiu no facto das peças ósseas apresentadas para a análise terem sido submetidas às mais adversas condições climáticas e, como se sabe, remontarem há mais de 30 anos, tornando demorado, mas desafiante do ponto de vista técnico e científico, o processo de extracção dos respectivos perfis genéticos”, rematou o governante.

Finalmente, Eugénio Laborinho sublinhou que o esforço despendido permitiu obter o efeito desejado, de extracção de perfis genéticos a partir das peças ósseas submetidas à análise e, consequentemente, a identificação, com clareza, das peças ósseas dos malogrados Elias Salupeto Pena e Dolosi Mango Alicerces.

Por seu turno, o Ministro da Justiça e dos Direitos Humanos, Francisco Queiróz, na qualidade de coordenador da CIVICOP, reiterou que este processo se reveste de grande importância humana, estando comprometido com a reconciliação e o perdão nacional.

“O momento é de mudança de comportamento e atitudes, chega de actos de irresponsabilidade política, que podem redundar em violência ao nosso povo, chega de desrespeitar a memória dos que perderam a vida, vítimas da insensatez de actos políticos”, concluiu o Ministro da Justiça.

Noutro prisma, os familiares dos malogrados, referenciaram este acto como um momento doloroso e ímpar, pelo que, traduz a reconciliação que se pretende para o país.

Presenciaram ao acto, os Ministros da Saúde, Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social, o Director Geral do SINSE, o Presidente da UNITA, membros de partidos políticos e familiares dos malogrados.