Eugénio Laborinho defende combate cerrado ao crime e aos actos de justiça por mãos próprias

O Ministro do Interior defendeu, na manhã desta quarta-feira, 22 de Dezembro, na cidade de Caxito, um combate cerrado à criminalidade e aos actos de realização de justiça pelas próprias mãos, por parte dos cidadãos.

DFREDERICO

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Eugénio laborinho, teceu tais considerações durante a reunião do Conselho Consultivo da Delegação do Ministério do Interior, na Província do Bengo, onde realiza uma visita de ajuda e controlo.

 

À chegada na cidade de Caxito, Laborinho foi recebido pelo vice governador, José Francisco Bartolomeu Pedro, com quem abordou, no palácio do governo provincial, questões relacionadas com a segurança pública.

 

Para o governante, a visita do Ministro Laborinho é oportuna, porquanto, dá início ao funcionamento do laboratório de criminalistica e deixa meios técnicos que vão apoiar na actividade diária dos efectivos.

 

Na sequência, o número um do MININT reuniu-se com os membros do Conselho Consultivo da Delegação do Interior local, onde recebeu informações do trabalho realizado pelas forças do MININT nas últimas 24 horas.

 

Ao tomar da palavra, Eugénio Laborinho disse estar consciente da situação de segurança pública nesta circunscrição, sendo que, muitos marginais actuam em Luanda e se refugiam no Bengo.

 

Por outra, Eugénio Laborinho mostrou-se preocupado com os actos de justiça pelas próprias mãos que tendem a subir, pelo que, recomendo às forças do Ministério do Interior a esclarecerem os actos criminais, de forma a diminuir a tendência do cidadão realizar a sua própria justiça.

 

Acompanham a alta entidade, o 2° Comandante-Geral da PNA, os Directores Gerais dos órgãos executivos directos e Directores Nacionais aos distintos níveis.