Director da Radio Despertar: suspende jornalistas que exigem o salários de 3 mês em atraso

O Director Geral Rádio Despertar Emanuel Malaquias, suspendeu esta sexta-feira, de formal verbal e com arrogância os sete jornalistas que tentaram reivindicar os seus direitos de salários em atraso há mais de três meses e que pretendiam chegar a presidente do Partido UNITA, pedir satisfações, informou ao Repórter Angola, Fábio Barros um dos suspensos.

Jonas Pensador

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Em causa esta os atrasos salariais, há três meses que não são pagos, Uma Dezena de Funcionários da Rádio despertar pertencente ao maior partido na oposição, UNITA, concentrou-se  esta quinta-feira 29, nas instalações do sovismo em Luanda e pretendiam chegar  até a presidência do partido, de Adalberto Costa Junior, para pedir satisfações sobre o atraso salarial.

Fabio Barros que confirmou a suspensão a este portal denuncia a forma como tomaram contacto da informação sobre a suspensão por tempo indeterminado.

“por volta das 16h, estávamos sentados no quintal da Radio a conversar sobre coisas particulares das nossas vidas, e estava de passagem o Director Malaquias, pensou que tivéssemos reunidos a tratar de uma greve ou manifestação, parou

lá, começou com arrogância de exemplificar os ex-colegas que pela esta Radio já passaram e foram postos a rua” narra

“vocês não estão a ver os outros onde foram parar, Pedro Mota, Francisco Paulo, Serrote, etc etc que foram suspensos e expulsos por tentarem reclamar os seus direitos, mas com muita arrogância mesmo” conta Fábio Barros, que diz não ter mais interesses em conversar com a direcção da Radio, mais , sim com a do Partido e com Presidente Adalberto Costa Júnior.

Ouiça  aqui:

Os profissionais visados continuaram no mesmo local ,  onde minutos depois o Director Geral Emanuel Malaquias, terá enviado um outro mensageiro para anunciar a suspensão.

” chegou um Sr. da confiança da  Administração, o Sr. Brigido Paulo Hama e disse-nos de que foi enviado pelo Director  para nos proibir de ter mais acesso a Rádio e de que estamos suspensos” denuncia Barros, que com estranheza formal e procedimental do tal anunciou verbal, “cheguei de pedir se tivesse um anuncio ou uma declaração ou carta qualquer onde consta a mesma suspensão” não havia, o colegas em causa alegou apenas ter recebido ordens do Director Malaquias para transmitir.

Segundo os funcionários, “O Director Geral da RD Manuel Malaquias, não tem capacidade de diálogo” concluir Fabio Barros.

A suspensão é resultante de uma tentativa de manifestação que estava para ser realizada ontem, 29, nas instalações da rádio onde os mesmos pretendiam exigir os seus ordenados.

“O país está a passar em muitas dificuldades e, sem o salário, fica ainda mais complicado uma vez que temos filhos por sustentar, contas por pagar principalmente a renda de casa. Tendo em conta as dificuldades que estamos atravessar, decidimos exigir o salário. É o nosso direito enquanto funcionário”, disse um outro Jornalista da mesma estação emissora.

Entretanto, o Repórter Angola sabe que “muitos  funcionários desta rádio, apontam o sr. Brígido Horácio Paulo  Hama em convénio com o director de informação, têm recebidos verbas das igrejas, o maior bolo ficam com eles enquanto o resto vai para a conta da rádio. Face as várias irregularidades, os profissionais exigem a redução do pessoal começando pela direção da rádio”.

Entre os funcionários suspensos constam os nomes de João Valter dos Santos, Odeth Fundo, Joaquim Ribeiro, Kabanga Dikulo, Fábio Barros e José Magalhães.

O Repórter Angola tentou contactar a direcção na pessoa do Queirós Anastácio Chiluvia e o Director Malaquias o acusado, mas estes não atenderam as nossas chamadas…

PUB