Em Cabinda 9 Activistas foram detidos durante uma Manifestação

Uma manifestação na província angolana de Cabinda terminou com a detenção de nove pessoas, disse à Lusa o advogado e ativista de direitos humanos Arão Bula Tempo.

DF

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Uma manifestação na província angolana de Cabinda terminou com a detenção de nove pessoas, disse à Lusa o advogado e ativista de direitos humanos Arão Bula Tempo.

Entre os detidos encontram-se dois dos seus filhos, adiantou.

A marcha, convocada por um grupo de ativistas defensores dos direitos humanos e membros da sociedade civil de Cabinda, não foi autorizada pelo Governo da província, que invocou as medidas de contenção da pandemia de covid-19 para justificar a proibição.

Os promotores da manifestação, cujo objetivo era contestar a “degradação social, económica e da saúde pública” decidiram, no entanto, manter a iniciativa por ser “um direito consagrado na Constituição”.

Apesar da chuva, os manifestantes “marcharam descalços” até o protesto ser “interrompido pela força repressiva da polícia”, referiu Arão Tempo, indicando que dois dos manifestantes foram “torturados”.

“Mantive contacto com o comandante, disse-lhes que não havia razões constitucionais que permitissem a detenção dos cidadãos indefesos e com direitos consagrados na Constituição”, acrescentou, afirmando ter recebido garantias de que seriam soltos, com a obrigação de pagar uma multa de 15.000 kwanzas (19 euros) no prazo de 72 horas.

Os nove ativistas acabaram por ser libertados cerca das 18:30 locais (17:30 em Lisboa), mediante uma notificação para o pagamento de uma multa de 200.000 kwanzas (258 euros), que o advogado admite vir a impugnar, disse, posteriormente, o ativista e advogado.

“Acho que esta notificação merecerá uma impugnação por não estar conforme os factos invocados pela polícia e que deveriam merecer a apreciação pelo tribunal, caso se tratasse de uma violação da lei e da constituição”, acrescentou Arão Bula Tempo.

Numa carta dirigida ao governador da província de Cabinda, subscrita por 42 pessoas e divulgada na quarta-feira, os manifestantes referiram que a situação sobre a qual pretendem protestar “perdura há 45 anos”, sem que o Governo tenha cumprido as suas garantias e promessas de intervenção.

O desemprego, a pobreza profunda, as mortes devido à fome, os constrangimentos ou impedimentos da liberdade de expressão, da cidadania, os julgamentos e condenações injustas e outros direitos fundamentais constam da lista de problemas que levaram ao protesto.

O documento exigia igualmente o diálogo “para a pacificação do território de Cabinda”.

Esta província, descontínua geograficamente de Angola e rica em petróleo, é palco de uma disputa liderada pela Frente de Libertação do Enclave de Cabinda (FLEC), que reclama a independência daquele território, alegando que era um protetorado português, tal como ficou estabelecido no Tratado de Simulambuco, assinado em 1885.

PUB