Em Angola: Vendedores de mercados desrespeitam medidas de prevenção contra a pandemia

O mercado municipal da Bela Vista, em Mbanza Kongo, tem capacidade para acolher 760 vendedores sentados. As bancadas estão devidamente organizadas. mas vendedores disrepeitam as medidas de bioseguranças

com JA

Angop, JA e RA

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

O espaço dispõe ainda de lojas e armazéns, mas os vendedores preferem aglomerar-se junto à entrada, expondo os produtos ao chão e ignorando as medidas de protecção contra a Covid-19. Além desse aspecto, muitos vendedores e compradores não usam máscara facial ou usam-na incorrectamente.

O estivador Tanda Alberto Ernesto lembra que a Administração Municipal de Mbanza Kongo tinha colocado, na entrada principal, um balde com água e sabão, mas que acabou por desaparecer, sem que tivesse sido substituído.  “Há muita informação sobre o coronavírus. O número de casos positivos aumenta todos os dias, muitas pessoas estão a morrer, mas, mesmo assim, alguns insistem em desobedecer as regras de prevenção contra a Covid-19”, disse. Situação idêntica regista-se ainda na praça das “15 Casas”.

Graça Lubanzadio, 53 anos, vendedora de cosméticos e diversos produtos de higiene na praça das “15 Casas”, afirmou que para lavar as mãos tem comprado água em sacos plásticos, sublinhando que paga dez kwanzas por embalagem.  Afirmou que a falta de recipientes com água e sabão para a lavagem das mãos tem a ver com a falta de organização no mercado.

O mercado, a céu aberto, é cercado por amontoados de lixo. “Esta praça não está organizada, porque está a céu aberto. Isto pressupõe que o vendedor ou comprador pode entrar no mercado em qualquer canto, porque não tem porta. Daí é difícil orientar as pessoas”, acrescentou.

O director municipal de Promoção do Desenvolvimento Económico Integrado de Mbanza Kongo, Manuel Matangu Futila, disse que a administração tem realizado campanhas de sensibilização, incluindo nos mercados, e tinha colocado baldes com água e sabão nestes espaços, mas carecem de substituição.

“Colocámos algum material de biossegurança nos mercados e temos trabalhado com os vendedores para observarem as medidas de prevenção, como o distanciamento físico, uso de máscaras e lavagem das mãos. Os vendedores precisam de um acompanhamento permanente para observarem, de facto, as medidas de protecção”, frisou.

Anunciou a realização, semanalmente, de campanhas de sensibilização junto dos vendedores para incentivar o cumprimento das medidas de prevenção ao vírus SARS-Cov2, que provoca a Covid-19. “Vamos fazer tudo para colocar mais baldes e sabão para lavagem das mãos nos mercados”, referiu.

PUB