Detido cidadão Moçambicano que furtou seis computadores, depois de subir seis andares

O cidadão Moçambicano que prestava serviço a uma empresa de limpeza entrou pelo tecto, depois de subir seis andares em companhia do seu comparsa, de 33 anos, também funcionário da mesma empresa, que ao aperceber-se da situação do amigo, com a mochila que portava, conseguiu escapar-se com os meios subtraídos.  

DR

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

“O Serviço de Investigação Criminal, através da sua Direcção Central de Combate aos Crimes Contra o Património e mediante denúncia, deteve, no dia 24.09.2021, pelas 9 horas, nas instalações do Ministério da Acção Social Família e Promoção da Mulher, localizado no Distrito Urbano da Maianga, Avenida Revolução de Outubro, um cidadão de 25 anos de idade, de nacionalidade Moçambicana, funcionário de limpeza de uma empresa que presta serviços ao referido ministério, por furto de computadores e diversos materiais informáticos” segundo uma nota de Imprensa do SIC Luanda, assinado pelo seu director Manuel Halaiwa.

Continua o documento dizendo que “A detenção do indivíduo, ocorreu por ter sido flagrado, por volta das 06 horas, no interior de um dos gabinetes, sito no sexto andar, onde subtraiu vários meios, nomeadamente: (2) dois computadores portáteis de marca HP, (2) duas pen drive, contendo informações do serviço e vários cartuchos de impressoras”.

 

Referir que o cidadão em causa, entrou pelo tecto, em companhia do seu comparsa, de 33 anos, também funcionário da mesma empresa, que ao aperceber-se da situação do amigo, com a mochila que portava, conseguiu escapar-se com os meios subtraídos.

 

Na prossecução e em sequência investigativa, três dias depois, foi possível a detenção do seu comparsa, e de outros dois indivíduos de 30 e 32 anos, sendo que um destes é sudanês de nacionalidade, na condição de receptadores, por terem adquirido com consciência os bens ora furtados.

 

Realçar que parte dos meios furtados já foram recuperados.

 

Salientar que os cidadãos ora detidos serão presentes ao Ministério Público, enquanto diligências prosseguem para o esclarecimento total dos factos.

PUB