Descarga de pesqueiro é feita de forma coerciva

As 800 toneladas de carapau, confiscadas pelas autoridades ao navio pesqueiro “Olutorsky”, de fabrico russo e bandeira camaronesa, deviam ser descarregadas, ontem, de forma coerciva, após quatro dias de resistência, por parte da tripulação.

DR

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Dez camiões estavam ontem mobilizados no Porto do Lobito para o transporte, em armazéns indicados pelo Governo Provincial de Benguela, das 800 toneladas de carapau apreendidas por pesca ilegal em período de veda.

Segundo o director provincial da Agricultura e Pescas, José Gomes da Silva, uma das exigências do armador era a recepção de um documento do ministério de tutela para confirmar a descarga, apesar de existir já um mandado de busca e apreensão emitido pela Procuradoria-Geral da República (PGR), devido à desobediência do capitão.

“O armador está a apresentar dificuldades em cumprir com o que está estipulado na lei, que estabelece o confisco a favor do Estado das capturas realizadas em pe-ríodo de veda”, esclareceu o director provincial da Agricultura e Pescas.

Fonte citada pela Angop apurou que as acções a bordo do navio estão a ser dificultadas pelo seu capitão, com a intenção de ganhar tempo durante as negociações com as autoridades e depois zarpar para Luanda, onde se encontra o armador.

Durante cerca de seis horas, na segunda-feira, foi permitida a entrada no navio de uma delegação composta por funcionários do Serviço de Investigação Criminal (SIC), da Administração Geral Tributária (AGT), da Fiscalização Pesqueira, Marinha e efectivos da Polícia Canina, para dar cumprimento ao trabalho de apuramento das infracções cometidas pelo navio.

Entre as infracções constam a pesca de carapau em período de veda, que vai de 1 de Junho a 31 de Agosto, a falsificação de dados em relação às quantidades captura-das e a recusa do comandante em permitir a descarga do pescado, em desrespeito de uma determinação das autoridades angolanas.

Com 1.250 toneladas de peixe diverso, entre as quais 800 de carapau, o navio pesqueiro “Olutorsky”, com 90 tripulantes, entre russos e ucranianos, foi apreendido em conjunto com um outro, Delta Reefer, quando se preparavam para fazer a operação de baldeação do peixe, que teria como destino a província de Luanda.

Para o país não ser associado à pesca ilegal de carapau, o conselheiro da Embaixada da Ucrânia em Angola, Hennadii Rohovets, negou, se-gunda-feira, em comunicado, que o navio Olutorsky, retido no Porto do Lobito, seja uma embarcação ucraniana.

Esclareceu, ainda, que os cidadãos ucranianos a bordo do navio perfazem menos de um terço dos 90 tripulantes da embarcação.

PUB