Covid-19: Angola começou a vacinar foram os Profissionais de saúde são os primeiros a receber a dose

Pelo menos 50 profissionais de saúde foram vacinados esta terça-feira, 02, minutos depois de o País ter recebido 624 mil doses da vacina contra a Covid-19, oriundas da Índia, no âmbito do sistema Covax. Uma mulher de 71 anos, médica, foi a primeira cidadã a receber a vacina da Covid-19 no território angolano.

DR

Repórter Angola * NJ

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Angola foi o primeiro país da lusofonia a receber vacinas da Covax e priorizou os profissionais de saúde que diariamente lutam contra a pandemia,
pretendendo vacinar apenas 20 por cento da sua população, com realce para as pessoas com co-morbidades e os idosos.
A médica Amélia Gourgel, de 71 anos,foi a primeira cidadã angolana a receber a vacina da Covid-19, em Angola, no Depósito Central de Vacinas, no bairro do Palanca, em Luanda.

 

A ministra da Saúda, Sílvia Lutucuta, destacou a importância de o País terrecebido 624 mil doses de vacina da AstraZeneca, por parte da iniciativa
Covax, e salientou que vacina tem uma ecácia de 70 a 80 por cento e está a aprovada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela Agência
Europeia do Medicamento.
De acordo com a ministra, uma pessoa deve tomar uma dose no braço direito e a segunda dose no braço esquerdo, mas só passados oito dias.
No entanto, Sílvia Lutucuta realçou que o seu ministério vai trabalhar com os centros de alto rendimento a partir do próximo sábado dia 06.
“Vamos vacinar Luanda, Benguela e Cabinda por serem as províncias com o maior número de casos activos nesta altura em Angola. Mas vamos vacinar o País todo”, garantiu a ministra.
A governante salientou que quanto à vacinação aos professores, que são profissionais da linha da frente, o ministério que dirige vai priorizar os da classe pré-escolar numa primeira fase.

Sílvia Lutucuta referiu que o plano do Executivo é vacinar até 53 por cento da população, com idade igual ou superior a 16 anos, tendo em conta que a população é bastante jovem e apenas 53 por cento se enquadra nesta faixa etária.
A ministra procedeu ainda à inauguração da cadeia de frio para o acondicionamento das vacinas, localizado na Central de Compra e Aprovisionamento de Medicamentos e Meios Médicos de Angola (CECOMA), que tem uma capacidade para armazenar 74 milhões de vacinas.
Já a representante da OMS em Angola, Djamila Cabral, assegurou aos jornalistas que vários países da União Europeia vão doar vacinas a Angola, dando como exemplo Portugal, que deve fazê-lo nos próximos meses.

PUB