Comissão de Reforma da IURD afirma ser legítima representante da igreja em Angola

A Comissão de Reforma da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) de Angola esclareceu hoje que é a legítima representante no país, clarificado que está o processo de regularização para fins de certificação.

Jonas Pensador

Reporter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Num comunicado enviado ao Reporter Angola, a Comissão de Reforma da IURD Angola informa que o escritório de advogados que havia contratado “praticou irregularidades na tramitação do processo de certificação”, entretanto ultrapassados.

Em agosto passado, a ala brasileira da IURD, em divergência com bispos e pastores angolanos, desde novembro de 2019, acusou publicamente a parte angolana de ter forjado a ata que atestava a destituição da direção brasileira, entregue no 4.º Cartório Notarial de Luanda.

“A Comissão de Reforma da IURD – Angola se demarca e reprova tais atos que foram de exclusiva responsabilidade do referido escritório de advogados”, referiu o comunicado.

Para “sanar as irregularidades mencionadas”, prossegue o documento, foi contratado outro escritório de advogados, “que, de imediato escreveu à Direção Nacional de Registo e Notariado do Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos para regularização do referido processo, de onde recebeu resposta positiva para assim proceder”.

De acordo com a nota, no início deste mês, as atas síntese e geral, ambas da assembleia-geral extraordinária, de 24 de junho, foram certificadas pelo cartório, tendo deste modo ficado concluído o processo de regularização para fins de certificação.

Uma cópia do processo foi igualmente entregue ao Instituto Nacional para os Assuntos Religiosos (INAR), adianta a Comissão de Reforma da IURD Angola.

Nesse sentido, desde 24 de junho, a comissão de reforma “é a legítima e exclusiva representante da Igreja Universal do Reino de Deus em Angola”, conforme a ata publicada em Diário da República.

“Portanto, todo e qualquer ato em nome da IURD – Angola que não for praticado pela referida comissão é ilegal e não obriga a Igreja Universal do Reino de Deus”, atesta o documento.

Sobre o processo-crime que decorre nas instâncias judiciais, a Comissão de Reforma da IURD Angola sublinha que “está a acompanhar com muita atenção”, mostrando-se convicta de que a justiça angolana vai confirmar as denúncias tornadas públicas através do manifesto pastoral, de 28 de novembro de 2019.

Nesse sentido, pede às autoridades que as medidas sancionatórias sejam contra as pessoas devidamente apontadas no manifesto e não contra a igreja, ou seja, que os seus membros, obreiros e pastores não sejam penalizados pelos atos da então liderança brasileira

PUB