Comandante da Unidade Operativa do Lubango acusado de ocultar morte do colega

Um comandante da Unidade Operativa da Polícia Nacional na cidade do Lubango, Inspector Guilherme Samunga Chipa, é acusado por colegas de tentar abafar o caso de um agente que faleceu no passado sábado (13), vitima de ferimentos resultado de uma agressão por parte de sete elementos desconhecidos, a 100 metros da Unidade. O malogrado é o agente de 1°classe José Sakateu.

DE

Ck

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Tudo começou quando no passado dia 4 de Novembro, o agente José Sakateu regressou a Unidade para mudar de turno (e voltar a sair) depois de ter estado a fazer serviço de patrulhamento das 18h até as 00h00. Posto na unidade, Sakateu saiu minutos depois para ir fumar num perímetro, a 100 metro, da referida unidade.

Segundo uma testemunha, depois de 30 minutos de ausência, compareceu na unidade operativa um cidadão informando que o agente estava a ser agredido por sete jovens. Quando uma equipa de reação chegou ao local, encontraram o agente Sakateu estendido no chão com ferimentos graves conforme se vê em imagens.

José Sakateu foi levado para a UTI do hospital Central de Lubango, tendo ai ficado em coma até sábado (13), data em que foi declarado morto.

O comandante da Unidade operativa Inspector Guilherme Chipa, mais conhecido por “Piquina” de 39 anos de idade, é citado por fontes do Club-K, como não tendo feito participação ao Serviço de Investigação Criminal (SIC) e escondeu o sucedido ao comandante provincial, comissário Divaldo Martins.

O segundo comandante da Unidade, Intendente “Tino” e o chefe das operações, inspector chefe “Walter” também se abstiveram de fazer informação sobre o acontecimento as estruturas superiores da província. Até Quarta-feira (17), fontes locais não havia informações indicando os motivos da agressão contra o agente José Sakateu.