Cidadãos na província do Bié agastados pela morosidade na emissão do Bilhete de Identidade

A demora no processo de emissão do bilhete de idntidade na cidade Cuito, está causar constrangimento aos cidadãos que recorrem aos serviços de identificação.

DR

RA

Façe a essa situação preocupa os citadinos,  a cidadão de nome Micael, residente nesta cidade, disse que chegou ao posto de identificação as 5 horas da manhã desta terça-feira 2 de Julho, para emitir o seu bilhete de identidade, pelo que, mostra-se agastada pela demora na emissão.

‘’Não sei em que posição estou, já encontrei muita gente. E vim renovar o meu bilhete de identidade, mas tem sido muito difícel e não seria assim desta maneira porquê, as pessoas saiem de muito longe, gasta-se passagem e aqui te dizem que não tem sistema, lamentou’’.

Outra situação que inquieta os cidadãos na cidade do Cuito, é a entrega dos respetivos bilhetes de identidade. Micaela diz que gasta diariamente mil kwanzas (1.000,00), e está nesta luta já a duas semanas, a mesma  solicita intervensão de quem é do direito.

‘’Depois das pessoas terem emitido o bilhete de identidade, as vezes passa quatro meses, e só assim é que vão te dar o tal bilhete e muita das vezes perdemos oportunidades por falta do bilhete de identidade. Estou nesta luta a duas semanas, e gasto mil kwanzas nos transportes. Apelo que eu deixo, relsolvam mesmo o problema do povo, e quando se trata de atender ao povo não deviamos olhar nas caras, somos todos angolanos’’.

Morosidade na entrega dos bilhetes de idadentidade e a lentidão por parte dos profissionais que labutam no posto repartição de identificação civil e criminal do Cuito, preocupa os utentes.

Para o cidadão Belo Agostinho Simões, que veio ao posto de identificação levantar o bilhete do seu progenitor, disse aos microfones do Repórter Angola, que, o respectivo documento de identificação já dura há quatro meses. Agostinho, acrescenta que os cidadãos desconhecem o que esteja na bese da demora.

‘’Vim fazer o leventamentio do bilhete do meu pai, que já faz quatro meses que não sai. A qui tem estado cheio todos os dias, e eu sai em casa as 6 horas da manhã. O processo de atendimento tem sido totalmente lento, e só os funcionários desta instalação sabem o que está na base disso. E peço ao governo que faça mais postos de identificação nos bairros, comunas e aldeias, para evitar que milhões de pessoas ficam postos ao sol e abandonados a sorte’’, disse.

Para anciã Julina Kuvala, de aproximadamente 70 anos de idade, disse que a situação já está fora dos parâmetros locais. Anciã, anvançou que já não tem força suficiente para aguentar a longas filas.

‘’Estou aqui desde às  5 horas para emitir o bilhete de identidade. Ontém já vinhamos aqui e nos disseram que não havia sistema. Desde às 5 horas que esto aqui, até o momento,  não há resultados.  Hoje completo quatro dias até aqui não há sucesso. Da minha casa para chegar aqui apanho duas motas, cada corrida pago duzentos kwanzas. E deixo a mensagem a que de direito para resolver esses problemas’’.

Muitos angolanos por registar

Até Janeiro deste ano, segundo o último balanço do Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos, cerca de 5 milhões de angolanos tinham sido registados e mais de 2 milhões e 600 mil identificados pela primeira vez. Mas ainda há mais de 4 milhões de pessoas para registrar e 3 milhões e 300 mil para identificar até Setembro deste ano.

PUB