Cidadão mata irmão e sobrinho por derrotas em jogo de cartas

Um jogo de cartas, disputado entre membros de uma família de Dobo, cerca de 66 quilómetros de Mbanza Kongo, acabou em tragédia, quando um dos jogadores disparou mortalmente contra o irmão e o sobrinho, por sucessivas derrotas no passatempo.

DR

JA

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Mekuiza Dibanzilua, também conhecido por “Mira”, actualmente, em fuga, irritado por perder algumas vezes no jogo para Manuel Mavambo Júnior, de 12 anos, e Manuel Mavambo Kodi, 35 anos, pegou na arma e disparou contra os familiares.

Depois do duplo homicídio, Mekuiza Dibanzilua meteu-se em fuga, mas a Polícia está a fazer diligências para localizá-lo, segundo garantias dadas, ontem, pelo porta-voz da Delegação Provincial do Interior no Zaire, sub-inspector de migração Sérgio Afonso.

O porta-voz avançou que o caso deu-se, na noite de terça-feira, por volta das 21h00, naquela comuna do Luvo, tendo o acusado usado uma caçadeira de fabrico artesanal, que tinha guardada em casa.

“Ele fez dois disparou à queima-roupa a cada uma das vítimas, que foram atingidas em múltiplas regiões do corpo, para de seguida meter-se em fuga com a sua arma”, explicou Sérgio Afonso.

O regedor da aldeia do Dobo, Manuel Lukangadio, considerou de bárbaro o acto. “Essa pessoa que matou as duas pessoas é meu cunhado, porque ele é irmão de pai e mãe da minha mulher. Não se entende como ele pôde tirar a vida do irmão mais velho e do sobrinho, filho da irmã que nasceu antes dele!”, lamentou.

A autoridade tradicional realçou que, depois dos disparos, ainda tentaram socorrer as vítimas para um posto de saúde, mas não foram capazes de salvar os dois jovens.

Apesar do duplo homicídio, o regedor do Dobo avançou que o acusado nunca evidenciado qualquer comportamento agressivo, mesmo quando estivesse sob efeito de álcool. Mas, por ter fugido com arma, disse que o bairro está inquieto, que até muitos já não conseguem ir às lavras.

“Ele passou a constituir um perigo, porque não sabemos qual seria a atitude, caso visse alguém do bairro por perto”, avançou o regedor.

PUB