Caso Esquadra Engivias: Comandante esclarece que nunca se cobrou dinheiro de combustível do patrulheiro ao cidadão

Ultrapassou o mal entendido, depois deste portal ter publicado uma denúncia que dava conta de uma suposta cobrança de dinheiro para combustível do patrulheiro da polícia nacional a fim de ir socorrer uma ocorrência participada. O comandante daquele posto policial esclareceu o caso.

DR

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

O Comandante “Bispo” do posto policial do Engivias na via express, municio de Viana esclareceu que tal situação não ocorre naquela unidade.

” Não cobramos combustível ao cidadão para socorrer ocorrências participadas, Eu inclusive tiro o dinheiro do meu bolso para abastecer se uma das viaturas fica sem combustível por que temos muita agente para atender” explicou o Indentente.

Na reportagem deste portal a denunciante dizia que  lhe foi cobrado dinheiro para combustível da viatura, facto confirmado com a indicação do agente do departamento de informação BINFOP, conhecido apenas por Chefe Motta.

Motta por sua vez alegou que não se tratava de dinheiro para combustível do patrulheiro, mas sim naquele momento como não havia nenhuma patrulha, tencionava socorrer a ocorrência com a sua viatura pessoal mas carecia de combustível.

” Eu disse que não temos patrulheiro disponível, mas tenho o meu carro só que falta combustível, se a senhora tem dinheiro para combustível podemos ir” confirmou.

Para o comandante, este agente não poderia o ter feito, pode se trata de uma cobrança indiretamente.

Com estes esclarecimentos, ficou ultrapassado o mal entendido, depois deste episódio procedeu-se as investigações que culminaram com a detenção de dois presumíveis autores do furto de xapas de Zincos ocorrido no bairro Vila Flor em que foi vítima a cidadã Macaía Jocelina.

Nota de esclarecimento:

A esquadra do Engivias, tomou conhecimento de uma notícia publicada no portal Repórter Angola e difundida em vários canais nas redes sociais esta terça-feira 19.

Perante tal facto, importa realçar que não corresponde com a verdade, não é cobrado dinheiro para abastecimento de combustível do patrulheiro desta esquadra em nenhum momento.

PUB