Bastonária dos Médicos Elisa Gaspar rejeita abandonar o cargo, mesmo depois de ser destituída

Persiste o braço de ferro, na Ordem dos Médicos que confirma a continuação de Elisa Gaspar a frente daquela instituição, mesmo depois de ter sido destituída. A bastonária da Ordem dos Médicos de Angola (ORMED), Elisa Pedro Gaspar rejeitou a deliberação do Conselho Regional Norte que a destitui do cargo por alegados actos de má gestão consubstanciada no desvio de 19 milhões de kwanzas.

Daniel Frederico

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Persiste o braço de ferro, na Ordem dos Médicos que confirma a continuação de Elisa Gaspar a frente daquela instituição, mesmo depois de ter sido destituída.

A bastonária da Ordem dos Médicos de Angola (ORMED), Elisa Pedro Gaspar rejeitou a deliberação do Conselho Regional Norte que a destitui do cargo por alegados actos de má gestão consubstanciada no desvio de 19 milhões de kwanzas.

O Conselho Regional Norte da Ordem dos Médicos de Angola (ORMED) deliberou, sábado, em Luanda, o afastamento da bastonária Elisa Pedro Gaspar da liderança do órgão.

A medida, tomada durante uma Assembleia-geral Extraordinária, deveu-se, essencialmente, a uma suposta gestão danosa de bens financeiros e patrimoniais por parte da responsável.

Elisa Gaspar, que está de luta por perca da sua mãe, negou gravar a entrevista e  remeteu  a RFI o  diretor para comunicação e imprensa da Ordem, Aldemiro Cussivila que refuta tais  acusações considerando-as de infundadas.

Em reação, Aldemiro Cussivila em declarações a RFI , disse que Elisa Gaspar vai continuar nas suas funções até ao fim do seu mandato e garantiu que A Ordem dos Médicos de Angola   tomou “ conhecimento por via da comunicação social de uma suposta destituição da sua Bastonária” e Por forma a esclarecer a opinião pública.

“A actual Bastonária da Ordem dos Médicos de Angola Dra Elisa Pedro Gaspar foi eleita democraticamente para um mandato de três anos (2019-2022); As informações que têm sido publicadas não passam de uma tentativa de manipulação da opinião pública para desvalorizar as reformas em curso na Ordem dos Médicos de Angola” lê-se no comunicado que tranquiliza aos associados que “a Bastonária da Ordem dos Médicos de Angola continua em suas funções até ao final do seu mandato”.

O presidente do Sindicato dos Médicos , Adriano Manuel disse à RFI que a bastonária estava a criar um “clima nepotismo” e demonstrava falta de solidariedade para com os seus colegas.

Para o também membro da ordem, além de gestão danosa, Elisa Gaspar mostrou-se indiferente às manifestações de homenagem ao falecido médico Sílvio Dala, atitude que considera um autêntico “sinal de desprezo aos problemas da classe”.

O presidente do Sindicato dos Médicos, Adriano Manuel, disse que a bastonária estava a criar um “clima nepotismo” e demonstrava falta de solidariedade para com os seus colegas.

Para o também membro da ordem, além de gestão danosa, Elisa Gaspar mostrou-se indiferente às manifestações de homenagem ao falecido médico Sílvio Dala, atitude que considera um autêntico “sinal de desprezo aos problemas da classe”.

entretanto o Gabinete Jurídico da Ordem dos médicos, já reagiu em comunicado que o Repórter Angola teve hoje acesso, onde esclarece que considera ” invalidade a Assembleia geral realizada no passado dia 17, por estar em desconformidade com os estatutos e por ser realizada a revelia” e no seu ponto dois, a nota que temos vindo a citar diz que “considera ilegitimidade da região norte em convocar a referida assembleia geral e deliberar matérias de âmbito nacional, uma vez que, os associados de Cabinda, Uíge, Bengo e Zaire não se fizeram presentes” lê-se no documento assinado por Gabriel V M Correia e Laurindo Martirio.

Elisa Gaspar, eleita bastonária da Ordem dos Médicos de Angola a 28 de Abril de 2019, com 45,5 por cento dos votos, é acusada de ter desviado 19 milhões de kwanzas.

A denúncia foi feita pelo antigo director do seu gabinete, Domingos Cristóvão, que não só acusa a responsável de gestão ruinosa como também de ter “traído as expectativas de todos aqueles que votaram nela”.

Segundo o Domingos Cristovão, a acusada terá usado uma boa parte do dinheiro na compra de uma “mobília para a sua residência, na reparação da mesma, viagens para Portugal e Brasil para ela e o filho, para além de outros gastos supérfluos”.

O antigo director diz que os valores em causa foram disponibilizados pelo Ministério da Saúde (MINSA), para o pagamento de salários, mas a bastonária terá dado outro destino, deixando os “trabalhadores sem salários durante cinco meses”.

Conforme o comunicado final da assembleia-geral, lida pela a presidente de mesa da assembleia do Conselho Regional Norte da Ordem dos Médicos de Angola, Arlete Luiele, que considera terem dado “um passo certo”.

O conselho fiscal regional norte da Ordem dos Médicos de Angola (Ormed) também pediu uma auditoria externa às contas da instituição por alegados desvios de fundos e gestão danosa por parte da bastonária Elisa Gaspar.

A médica pediatra-neonatologista Elisa Gaspar esteve ausente do encontro deste sábado, além da destituição da bastonária, os mais de 50 por cento dos membros da ORMED constituíram comissões de gestão e de inquérito independentes, para auditar as contas da instituição.

A comissão de gestão, que tem 90 dias para preparar um novo processo eleitoral, integra os médicos Arlete Luele, Rosalon Pedro, Jeremias Agostinho, Benedito Quintas e Armando Caála.

A ORMED é composta pelas regiões Norte (Cabinda, Zaire, Uíge, Bengo e Luanda), Centro (Cuanza Sul, Benguela, Huambo, Bié e Moxico), Leste (Cuanza Norte, Malanje, Lunda Norte e Lunda Sul) e Sul (Namibe, Huíla, Cuando Cubango e Cunene).

Conforme os estatutos da ORMED, o bastonário só pode ser destituído em Assembleia-Geral convocada pelo presidente da Mesa do Conselho Nacional, que nesta altura está em vacatura.

Entretanto, o estatuto da ORMED não prevê a destruição, pelo que, havendo vacatura na Mesa do Conselho Nacional, cabe ao bastonário ou ao seu vice, sempre que solicitado e justificado, convocar as reuniões do Conselho Nacional.

 

PUB