Bastonária da Ordem dos Médicos desviou mais de 19 milhões de kwanzas acusa Sindicato

Depois de demarcar-se da Marcha de protesto contra a brutalidade policial em Luanda, A bastonária da Ordem dos Médicos (ORMED), Elisa Pedro Gaspar, é acusada de desviar mais de 19 milhões de kwanzas, assim como de promover uma gestão danosa na instituição que dirige.

JP

Repórter Angola com NJ

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

A denúncia foi feita pelo antigo director do seu gabinete, Domingos Cristóvão, que não só acusa a responsável de gestão ruinosa como também de ter
“traído as expectativas de todos aqueles que votaram nela”. Segundo o interlocutor, a acusada terá usado uma boa parte do dinheiro na compra de uma “mobília para a sua residência, na reparação da mesma, viagens para Portugal e Brasil para ela e o lho, para além de outros gastos supéruos”.
O antigo director diz que os valores em causa foram disponibilizados pelo Ministério da Saúde (MINSA), para o pagamento de salários, mas a bastonária terá dado outro destino, deixando os “trabalhadores sem salários durante cinco meses”.
Acusa, igualmente, a bastonária de ter colocado à disposição do seulho, Yorolav Moura, um cartão de crédito do BCI, o que lhe terá permitido usá-lo a seu bel-prazer, fazendo “despesas particulares” em nome da instituição. Diz, também, que tem provas dos gastos e sustenta a acusação com a exibição de várias facturas de compras feitas em diversos estabelecimentos comerciais, dentre os quais o Candando e o Kero.
“O cartão serviu até para o pagamento de despesas de lanches, géneros alimentares, designadamente rissóis, destinados à casa da bastonária”.
Acrescenta a fonte que o lho de Elisa Gaspar, que não é funcionário da instituição, “nem sequer médico”, tem usado as viaturas da ORMED, tendo, inclusive, uma delas avariado. “Ele é formado em Recursos Humanos e não tem vínculo jurídico-laboral com a nossa instituição”, denuncia.
E vai mais ao longe: “Ele foi ao Brasil às expensas da ORMED, por um período de 15 dias, para uma suposta formação profissional. De regresso, e para justificar a viagem, trouxe cartões-de-visita e banners “, acusa.

Revela que, há escassos 16 meses à frente da ORMED, Elisa tem tido uma “gestão unilateral, arrogante e ruinosa, não presta contas da sua gestão financeira, sobretudo resultante do pagamento de quotas pelos liados”.
Em Reacção: Elisa Gaspar nega acusações
Abordada na quinta-feira, 3, sobre o assunto, Elisa Gaspar declara que as acusações segundo as quais ela desviou 19 milhões de Kwanzas «não correspondem à realidade».
A bastonária da ORMED explica que usou o dinheiro para o “pagamento de salários, serviços de água, luz e combustíveis e para a compra de
equipamentos informáticos para a instituição, nomeadamente computadores e impressoras”.

PUB