BAI congela conta da Xtagiarious Finance

O bloqueio de uma conta no BAI na semana passada trouxe à realidade os investidores da empresa Xtagiarious Finance que, aliciados pelas promessas de um retorno acima do que é praticado no mercado, aplicaram as suas poupanças naquilo que as autoridades e especialistas dizem ter as características típicas de um esquema em pirâmide.

DR

Ango Notícias

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Acusado de burlar dezenas de clientes, Edson de Oliveira mantém-se em silêncio.

Os investidores da empresa Xtagiarious Finance, sentem-se traídos com falsas propagandas de uma empresa não licenciada para exercício da atividade financeira.

Não se sabe quando é que o alegado esquema terá começado, mas nos últimos meses tem ganhado mais visibilidade, não só devido à cobertura mediática feita por órgãos de comunicação social, mas pelo crescendo de divulgação nas redes sociais, onde a empresa anuncia taxas de juro entre “20% a 25% ao mês sendo um cliente particular ou premium/ empresa da primeira e única startup de finanças em Angola”.

Mas as promessas não ficavam só pelas taxas de juro elevadas e apetecíveis já que algumas aplicações recebiam um bónus de “20% no final da sua aplicação. “Num país em que os cidadãos nacionais têm uma relação de desconfiança em relação ao sistema financeiro e onde existe uma iliteracia financeira tão grande é normal que vão aparecendo esquemas deste género. As pessoas querem lucro fácil, mas é precisamente essa facilidade que as deveria fazer desconfiar”, admite uma fonte ligada à banca.

A presença nas redes sociais, em notícias nas principais televisões, jornais e rádios nacionais ajudou a publicitar a empresa e, acima de tudo, a mostrar sinais de credibilidade e de aparente poderio financeiro. Sem nunca descortinar em que activos estavam a ser utilizados os recursos dos investidores, o objectivo da empresa passava por captar o maior número de investidores (a base da pirâmide) para conseguir suportar as despesas com os investidores mais antigos (o topo) e assim sucessivamente, admitem especialistas em mercados financeiros. Tudo corria de feição e são hoje dezenas de pessoas que dizem ter apostado neste tipo de investimento. Como em todos os casos de pirâmide, alguns tiveram retorno – e ajudaram a “espalhar” a palavra – e outros não. E assim se foi desenvolvendo a actividade da Xtagiarious Finance num mercado sem regras e sem garantias, que é como quem diz sem estar debaixo da supervisão de um regulador.

Entretanto, o congelamento da conta no BAI na semana passada veio agravar ainda mais as desconfianças e as queixas de investidores sobre atrasos nos pagamentos acordados com a empresa de Edson Caetano de Oliveira. Mas os piores receios para as pessoas que aplicaram as suas poupanças nesta empresa só se concretizaram uma semana depois do “chumbo” do departamento de compliance do BAI, quando esta segunda-feira o Banco Nacional de Angola (BNA), cumprindo o seu papel de supervisor do sistema financeiro nacional, comunicou que a Xtagiarious Finance “não está habilitada a exercer, em Angola, qualquer actividade financeira sujeita à sua supervisão, nomeadamente a prestação de serviços de pagamentos, captação de depósitos e aplicações monetárias, actividades reservadas às instituições financeiras bancárias”.

PUB