Assassinatos em Cafunfo: Comandante geral da Polícia diz desconhecer queixas contra a polícia

O comandante geral da Polícia Nacional de Angola Paulo Gaspar de Almeida disse hoje que a situação no Cafunfo na Lunda Norte está normalilzada e disse nada saber sobre queixas apresentadas à Procuradoria relacionadas com a situação naquela vila.

DR

VOA

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Paulo de Alemida falava em Benguela onde foi abordado or jornalistas sobre a situacão naquela localidade mineira onde no passado dia 30 de Janeiro se registaram confrontos que resultaram num número indeterminado de morte.

 

As autorisades têm-se recusado a permitir uma investigação independente dos acontecimentos culpando os incidentes num grupo de 300 pessoas que teria tentado atacar uma esquadra da policia algo negado por organizadores e residentes locais.

 

Paulo Gaspar de Almeida disse desconhecer que organizações dos direitos humano tinham apresentado queixa na Procurador Geral da Republica contra agentes da polícia que impediram investigadores dessas organizações de visitarem a vila , tendo-os mantido retidos numa casa.

 

O comandante da polícia disse que a estabilidade no Cafunfo passa por um sentido de responsabilidade dos cidadãos e das instituições.

 

“A responsabilidade não é apenas da Polícia, é de todos nós, cidadãos’’, disse o comandante da Polícia Nacional.

 

‘’Se nós, cidadãos, e as instituições cumprirmos com o que a lei diz …não haverá problemas”, acrescentou

PUB