Antigo financeiro da Casa de Segurança da presidência disse que tem fortuna que lhe permite gastar 50 mil dólares por dia durante um período de 50 anos

O tenente-general Luís Simão Ernesto, que ao tempo do José Eduardo dos Santos exerceu o cargo de financeiro da Casa de Segurança, e tido como o “barão” da rede de oficiais, com quem o major Pedro Lussati, trabalhou em estreita colaboração.

DR

Lilpasta

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Luís Simão Ernesto está interditado de sair do país e é arguido neste processo da “operação caranguejo”. Não foi ainda ouvido por gozar de imunidades militares que devem ser levantadas pelo comandante em chefe das FAA.

Apesar de estar arrolado, neste processo, o tenente-general Luís Simão Ernesto é, segundo o Club-K, é descrito como um militar bastante discreta. Ao longo da sua vida como militar é-lhe atribuído apenas a “gaff” de que quando à 22 de Janeiro de 2008, celebrou os seus 50 anos de idade, numa residência dos seus falecidos país, no “projecto Morar”, em Luanda-Sul, este general teria num momento de emoção declarado que tinha uma fortuna que lhe permitia gastar 50 mil dólares por dia, durante um período de 50 anos. O assunto foi tema de discussões sobretudo no seio de algumas figuras da socialite que ele havia convidado.

No ano de 2019 o Lil Pasta News noticiou que o antigo ministro de Estado e Chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, Pedro Sebastião, terá convidado o também antigo secretário-geral da Casa de Segurança do Presidente José Eduardo dos Santos, para simples conversa.

Este por seu lado, aceitou o convite, já na casa de segurança, Pedro Sebastião e uma equipa da Direcção Nacional de Investigação Procuradoria Militar, convidou o oficial superior para subir na viatura dos elementos da PGR, pelo que o general tentou rejeitar.

Segundo fonte publicamente e de forma humilhante General Pedro Sebastião orientou que o tenente-general Luís Simão Ernesto, acompanhasse os especialistas até a direcção da Procuradoria Militar para “responder sobre determinados factos”, ainda não especificados, tendo este se submetido as ordens superiores.

PUB