Angola: INAC registou mais de dois mil casos de violência contra crianças em 45 dias

O Instituto Nacional da Criança (INAC) registou, mais de dois mil casos de violência contra a criança em todo o país, desde Janeiro e recebe mais de 4 mil chamadas de denuncias por dia.

Archiv DR - Angop

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Os dados constam de um relatorio do Instituto consultado, terça-feira 25, e confirmado pelo seu director  Paulo Kalesi a Imprensa, na lista constam 57 casos de abuso sexual contra menores.

“Junho a Agosto, a Linha de Recepção de Denúncia de Violência contra a Criança (SOS – Criança), que atende pelo terminal telefónico 15015, recepcionou 42.067 denúncias de casos de violência contra a criança” informou Paulo Kalesi.

Destes, avança que ” 575 foram denúncias de abuso sexual à menores, que já foram remetidas às autoridades dos municípios onde residem”.

A propósito destes números, a secretária de Estado para Família e Promoção da Mulher, Elsa Barber, que falava na abertura de uma acção de formação de activistas dos direitos da criança, dirigida a mais de 60 mulheres intercessoras, lamentou o facto de crianças de tenra idade estarem mais expostas ao risco de violência física, negligência e abuso sexual que, na sua maioria, são praticados por pessoas próximas e no seio familiar.

Conforme Elsa Barber, para se inverter o actual quadro, o Executivo conta com o apoio de todas as forças vivas, sobretudo das igrejas por serem a reserva moral da sociedade.

Em relação a acção de formação de activistas dos direitos da criança, deu a Associação das Mulheres Intercessoras de Angola ferramenta indispensáveis para melhor exercerem a missão de protecção das crianças.

Elsa Barber avançou que esta formação tornará as formandas em parceiras estratégicas do Governo e activistas dos Direitos da Criança, sobretudo nas comunidades, igrejas e locais de trabalho.

“Estamos a contar convosco, sensibilizem as famílias, idem aos mercados, batam as portas de todos, denunciem a violência contra a criança”, reforçou a responsável.

Em resposta, a presidente da Associação de Mulheres Intercessoras, Filipa Tadeu, disse que estão disponíveis para colaborar com o Ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher (MASFAMU), nesta e noutras ocasiões.

A pastora, que considera a criança como prioridade absoluta do Estado angolano, o nível de violência contra à criança é preocupante e enquanto parceiros do governo juntam-se nesta árdua e desafiante tarefa.

PUB