Água do Chefe misturada com combustível de avião mata Treze pessoas em Viana

Subiu para treze o número de vítimas mortais por consumo de caipirinha do azar. De acordo com testemunhas, às vítimas consumiram a bebida feita a base de capuca, Capassarinho (fruto silvestre) e gasolina Jet A1 para aviões.

DR

RNA

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Subiu de Oito , para pessoas Treze o número de mortes das quais uma adolescente de 14 anos de idade, que perderam a vida, neste fim-de-semana, depois de terem consumido uma bebida de fabrico caseiro “água do chefe”, no bairro da Caop A-11, município de Viana.

Ginga Tuta disse que ainda há pessoas ainda internadas em observação, com tendência a recuperar.

A administradora-adjunta do município de Viana disse que as autoridades estão presentes desde o primeiro momento, solidarizando-se com as famílias afetadas.

“Estivemos lá, foi feito o levantamento, e quase todos eles já tinham feito os funerais, só faltavam duas ou três famílias que ainda não tinham feito o funeral e ainda não tinham data, mas a administração apresentou a disponibilidade em apoiar”, informou Ginga Tuta.

A responsável frisou que foram informados do que se estava a passar no domingo pela comissão de moradores.

“A comissão de moradores quando nos alertou disse-nos que já desde sexta-feira que estavam pessoas a falecer. Sexta-feira já tinham falecido, no sábado e domingo é que nós entramos no terreno em função das informações que estávamos a receber sobre o assunto”, referiu.

Em declarações hoje à Lusa, o porta-voz do Serviço de Investigação Criminal de Luanda, Fernando de Carvalho, confirmou para já a morte de quatro pessoas devido à ingestão da bebida e mais três doentes em estado grave no hospital.

Fernando de Carvalho frisou que o número de 11, que tem sido avançado pela imprensa angolana e foi confirmado pela administradora municipal, é relativo a mortes ocorridas nos últimos dias, que os familiares têm associando a este caso.

“Há uma pessoa que perdeu um ente querido e foi ter com o indivíduo que vendeu a bebida, que confirmou ter vendido e para provar que a bebida não tinha nada bebeu também, acabando igualmente por morrer”, salientou.

Segundo Fernando de Carvalho, as autópsias vão ser feitas hoje, aguardando-se os resultados que vão confirmar a causa das mortes.

O caso ocorrido no bairro da Caop, em Viana, segundo noticiou hoje a rádio pública angolana, envolve uma mistura tóxica de bebidas a qual foi dado o nome de “caipirinha do azar”, composta por “água do chefe” [bebida artesanal destilada, feita de açúcar e fermento], capassarinho [um fruto com efeito alucinogénio] e combustível JET A1, para aviões.

O SIC informou, na segunda-feira, que procedeu já à detenção de três pessoas, entre as quais a vendedora da bebida.

O coordenador da Comissão de Moradores, António Costa, adiantou que a bebida provoca sintomas como dor de cabeça, do corpo, enjoos, mal-estar geral, dificuldades para andar, além da perda de visão.

De acordo com testemunhas, às vítimas consumiram a bebida feita a base de capuca, Capassarinho (fruto silvestre) e gasolina Jet A1 para aviões.

No entanto,  outras pessoas seguem internadas numa das unidades hospitalares de Viana. Cinco das oito vítimas são da mesma família.

PUB