Administração de Viana destrói obras erguidas no terreno em suposto “litígio” na via expressa

A administração de Viana ordenou esta quarta-feira 19, a demolição de mais de 600 obras , erguidas num espaço cujo a justiça restituiu ao proprietário. A sentença que foi proferida na terceira secção do cível administrativo junto do tribunal, restituiu o imóvel de 28 hectares aos herdeiros de José Mário Candongo, mas entretanto o administrador alega que os documentos do senhor Candongo são falsos. Mais de mil agentes policiais foram mobilizados para distribuição das residências e lojas.

DR

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Mais de 1000 efetivos entre agentes e oficiais  policiais foram mobilizados para demolição de mais de 900 residências no município de Viana, localizado na via expressa junto a paragem da Mutamba, sentido Benfica.

O terreno em litígio, foi devolvido aos herdeiros de Mário Candongo pela terceira secção do Tribunal Provincial de Luanda, mas a Administração municipal de Viana alega que os documentos apresentados são falsos.

Em reação, o advogado da família, o Administrador Municipal não tem competência para atestar a falsidade dos documentos.

“Mas ele não tem competências para aferir a falsidade dos documentos do senhor Candongo. Quem tem esta competência é o tribunal. Começou por dizer o advogado da família herdeira sobre um terreno de mais de 25 hectares junto à via expresso, bairro Sapu, distrito do Kikuxi, município de Viana, em Luanda, onde o administrador de Viana, Manuel Pimentel, é suspeito de defender supostos invasores para fins pessoais” acusou o Advogado Salvador Caminha, em entrevista a imprensa.

Em actualização…..