Urgente: Isaías Samakuva volta a liderar a UNITA com destituição de Adalberto Costa Júnior

Vacatura no maior partido na Oposição, deixa folga para o regresso de Isaías Henrique Ngola Samakuva na liderança da UNITA, com a impugnação do congresso que elegeu Adalberto Costa Júnior.

DR

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Isaías Samakuva afirmou em 2019 que seria candidato as próximas eleições de 2022, custa o que custar , agora o 6 que virou 9, verifica-se Nesta condição se aproxima de novo o político querido do MPLA ao cadeirão máximo do maior partido da Oposição.

A UNITA voltou na sua condição em que esteve em 2018 e início de 2019, antes da realização do seu congresso, o que significa que com a impugnação da eleição de Adalberto Costa Júnior, Samakuva ainda continua o líder reconhecido pelo Tribunal Constitucional até que seja encontrado um substituto já que ACJ não foi elegível por ter dupla nacionalidade até a data em que concorreu ao XIII*Congresso, segundo analistas em matérias políticas.

Para salvar a UNITA enquanto ADALBERTO COSTA JÚNIOR vai interpor o recurso para anulação desta impugnação, o partido do galo negro deve convocar um novo congresso extraordinário, onde o agora Ex-Presidente ACJ, possa concorrer já que se encontra em situação de perca de nacionalidade portuguesa.

Desta vez Adalberto Costa Júnior pode voltar ao cadeirão máximo da UNITA.

Quanto ao possível regresso de Isaías Samakuva, este jornal até o fecho desta edição, não atendia ao telefone para confirmar sobre o seu interesse ou não em voltar a dirigir o partido e concorrer as eleições, como o mesmo haverá prometido de que seria candidato as eleições de 2022.

A 08 de Outubro de 2019, durante uma conferência de imprensa, Isaías Samakuva que se aproximava preste a entregar a liderança do partido declarou que não se vai reformar.

“Estou a pensar nisso. E vou concorrer lá onde me conhecem bem”, declarou Isaías Samakuva, durante uma conferência de imprensa realizada na sede do partido, que contou com a maioria dos candidatos à liderança da UNITA, naltura.

Aos jornalistas, Isaías Samakuva deixou claro que, como estabelece os estatutos do partido, o cabeça de lista às eleições gerais de 2022 será o presidente do partido, a ser eleito no congresso ordinário que se realiza entre os dias 13 e 15 de Novembro.
Samakuva, disse entretanto, que existe a possibilidade de os estatutos do partido, nomeadamente o ponto referente ao cabeça de lista, virem a ser alterados, durante o próximo congresso ordinário. Esta tese, sublinhou, não foi elaborada nem posta à discussão por ele. Mas deixou claro que, se o assunto for discutido no conclave de Novembro, haverá a possibilidade de o cabeça de lista da UNITA não vir a ser, necessariamente, o presidente do partido. Num eventual cenário de alteração dos estatutos, Samakuva não descartou a hipótese de vir a concorrer como Presidente da República nas eleições gerais de 2022. “Uma das coisas que aprendemos na vida é que nunca devemos dizer que desta água nunca beberei”, afirmou.
O Ex-líder da UNITA reafirmou que não vai voltar a concorrer à liderança do partido, mas deixou claro que em nenhum momento disse que iria deixar a vida política, sublinhando que “quem está na política não se reforma”.
Samakuva admitiu, com efeito, a possibilidade de regressar ao Parlamento, onde suspendeu o seu assento, devido ao trabalho como presidente da UNITA. O político justificou o regresso à Assembleia Nacional por considerá-la “a plataforma adequada para fazer política”.

“Durante o meu mandato muita coisa foi feita. Agora estou satisfeito porque os angolanos perderam o medo de expor as suas preocupações ao Executivo”, afirmou Samakuva, salientando que durante 16 anos teve de “passar em caminhos sinuosos para unir o partido”.

SAMAKUVA manifestou-se preocupado com o elevado índice de corrupção que afecta o País, exigindo enormes sacrifícios aos angolanos.

“Hoje, dirigentes do País admitem ter roubado o dinheiro do erário público. A UNITA não poupou esforços para denunciar essa prática errada”, sublinhou.

Questionado se poderá concorrer como cabeça de lista nas eleições de 2022, Samakuva não foi claro

“Eu não disse que serei cabeça de lista nas eleições de 2022. Mas estarei activo na vida política”, referiu Samakuva, que admitiu a possibilidade de concorrer num dos municípios.

“Eu vou concorrer onde as pessoas me conhecem”, disse Samakuva, que criticou alguns sectores no seio do seu partido que pretendem criar embaraços para que o congresso não corra bem.

PUB