TV Record ataca Primeira-dama angolana Ana Dias Lourenço

A primeira dama angolana, Ana Dias Lourenço é acusada de ter adquirido um fortuna com negócios ilícitos da Orion com a Odebrecht.

DR

RFI

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

No Brasil, a Igreja Universal do Reino de Deus e a TV Record são uma só. Elas têm o mesmo dono, o influente bispo Edir Macedo.

No conflito que envolve a igreja em Angola, a emissora sempre defendeu os pastores brasileiros.

Nesta quarta-feira, o comentador político Augusto Nunes acusou a Primeira-dama angolana Ana Dias Lourenço de ter adquirido uma fortuna com negócios ilícitos envolvendo a empresa Orion, da qual era acionista.

«Contratada para a campanha eleitoral de 2012, a publicitária brasileira Mônica Torres entregou cinco milhões de dólares em espécie a directores da Orion, a quantia correspondia a 10 % da dinheirama doada pela Odebrecht ao MPLA», denunciou ele.

Esse esquema de financiamento ilícito das campanhas presidenciais de 2012 e 2017 em Angola já foi revelado pela operação Lava-Jato no Brasil, e por uma investigação conduzida pelas autoridades norte-americanas sobre os negócios da família de João Lourenço.

O comentador político não deu mais detalhes sobre o envolvimento pessoal da Primeira-dama nas transações ilícitas.

O escritório de advogados que defende os interesses da Igreja Universal e da TV Record em Angola anunciou esta sexta-feira que deixava de representar os interesses da instituição. Nove missionários brasileiros foram expulsos de Angola, e o sinal da TV Record África no país foi suspenso em Abril.

PUB