Tribunal de Luanda bloqueia contas bancarias da UNITA por divida

O Tribunal Provincial de Luanda bloqueou há poucos dias, as contas bancarias da UNITA, o maior partido da oposição em Angola. O argumento invocado é de que foi ativado um processo de há cerca de quatro anos, movido por uma empresa privada que reclama pagamentos de serviços, a pedido deste partido, para o projecto da “TV Raiar”.

DF

CK

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

A direção da UNITA, segundo apurou o Club-K, apercebeu-se do bloqueio bancário, a partir da cidade do Huambo, onde  uma delegação chefiada pelo seu Presidente, Adalberto Costa Júnior, está desde quinta-feira, 05, a trabalhar, no âmbito da II Reunião Ordinária da Comissão Política. Ao tentarem realizar pagamentos para as despesas da delegação, o partido fundado por Jonas Savimbi, viu-se confrontado pelo  congelamento das suas contas.

No seio dos “maninhos”, o assunto está a ser interpretado com estranheza e com desconfiança de que o inexplicável bloqueio faça parte do pacote da estratégia do regime em fragilizar o partido, impedindo que o maior partido da oposição realize atividades e que tenha dificuldades de realizar no final do mês pagamentos de  salários aos funcionários do partido, gerando mais tarde descontentamento ou crise interna.

De lembrar que no passado dia 2 de Outubro, o semanário Novo Jornal denunciou a existência de um plano elaborado pelo MPLA destinado a fragilizar a liderança de Adalberto Costa Júnior a testa da UNITA. Faz parte do plano, a invasão da vida privada do Presidente do “Galo Negro” e a instigação de realização de um novo líder do interesse do MPLA.

Carlos Raimundo Alberto, um oficial da segurança de Estado, que se infiltrou na sociedade civil fazendo-se passar por “jornalista perseguido pelo regime”, foi há poucos meses desmascarado pelo portal “O Decreto” com a publicação dos seus documentos. Carlos Alberto é, até o momento, o mais destacado rosto na campanha de desacreditação da UNITA e do seu líder.

PUB