Serviço secreto SINSE e MPLA intimidam Irene Neto e Alvaro Boa Vida Neto a não se candidatarem ao congresso

Irene Neto e Alvaro de Boa Vida Neto demarcaram-se das últimas informações postas a circular pela imprensa angolana de que pretendiam se candidatarem ao cadeirão máximo do MPLA, no próximo congresso de Dezembro, com vista a remover o Presidente João Lourenço na liderança do partido que governa Angola desde 1975, alegada intimidações no seio do partido e pressão do serviço de informação e segurança do estado SINSE, soube o Repórter Angola de fontes concordantes.

DR

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Em dois  comunicados de imprensa a que o Repórter Angola teve hoje acesso, Irene Neto diz não fechou “as portas ao convite para apresentar uma moção de estratégia e uma lista à liderança do MPLA, no próximo congresso”. Respondendo assim a noticia posta a circular pelo Club K  que afirmava que Irene Neto poderia concorrer a presidência do MPLA, ao congresso ordinário agendado para Dezembro deste ano, para “acabar com as políticas divisionistas, que destruíram a unidade interna e nacional”, conforme revelações do porta-voz da Fundação Agostinho Neto (FAN), Artur Queiroz.

No entanto, a filha do antigo presidente diz que por agora a única preocupação da mesma é provar a inocência de seu marido Carlos de São Vicente que encontra-se detida a cerca de um ano em uma prisão preventiva acusado de crimes de branqueamento de capitais, fraude fiscal durante cinco anos e peculato durante a sua liderança durante os 20 anos na seguradora ligada à Sonangol.

 

“No entanto, neste momento, a única missão para a qual estou disponível é provar a inocência do meu marido, Carlos de São Vicente, preso há mais de um ano em prisão preventiva, e lutar pela sua libertação. Em nenhuma circunstância podemos admitir que um inocente esteja preso”. Lê-se no documento

 

Irene Neto declarou não ser candidata à presidência do MPLA, maior partido politico do país, e partido no poder desde 1975, e agradeceu o apoio e confiança depositada a ela.

“Não sou candidata à liderança do MPLA”. declarou

“Agradeço os militantes, simpatizantes, angolanas e angolanos da sociedade civil que me manifestaram apoio e confiança”. Concluiu.

Numa outra publicação do Deputado Alvaro da Boa Vida Neto, diz que foi ” chamado de candidato” durante uma reunião do comité central do seu partido, o que causou espanto e pasmo , segundo fez saber.

Entretanto, uma fonte familiarizada confidenciou ao Repórter Angola, que os dois pré candidatos foram ameaçados pelos serviços do SINSE e pelos membros da elite do MPLA a não tentarem se candidatarem, e obrigados a se pronunciar em comunicados para desmentir os supostos rumores.

 

PUB