PRS de Benedito com falhas na carburação da Pré- Campanhã eleitoral

o Partido Renovador Social (PRS), que se dizia ter meio caminho andado para a sua afirmação, está a encontrar muitas dificuldades financeiras, para se instalar em todos 164 municípios do País. Secretario Provincial do Huambo, é mais conhecido que o próprio Presidente do Partido e se desconhece o Secretario Geral dos renovadores sociais, ou o seu vice presidente , se têm.

NMC

Na Mira C

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

No binóculo Político observamos, com atenção, a entrada em campo das duas maiores forças políticas, ao mesmo tempo que olhamos, com estranheza, a indiferença de algumas organizações, como o Partido Renovador Social (PRS), que se dizia ter meio caminho andado para a sua afirmação.

Para se entrar na, agora dada como certa, pré-campanha eleitoral, não foi necessário dar o tiro de largada. Bastou, para isso, que o MPLA e a UNITA começassem a protagonizar acções de vulto, já com alguma troca de mimos à mistura.

Está-se claramente no início desta fase que, normalmente, exige dos seus principais actores, muita criatividade, sagacidade e muito civismo.

No caso concreto do PRS, esperava-se mais pujança, se tivermos em conta a fraca safra obtida em 2017 que, logicamente, devia servir de referência para nunca se retirar o pé do acelerador.

O seu presidente, Benedito Daniel, apesar de fraca prestação que se regista, aparece na imprensa a dizer que as coisas estão muito bem; que o partido está a crescer.

O político, ao garantir acutilância dos seus quadros, estará apenas a tapar o sol com a maneira, já que, nos últimos anos, com maior incidência agora, muitos desses quadros abandonam o partido apostam no MPLA ou na UNITA.

Na política, em África, não se aplica tanta magia assim, ao ponto de pensar-se que quem não semeia também tenha que colher.

É esse o espírito que, em condições normais, devia nortear o pensamento da liderança do PRS, visivelmente acomodada, apesar do perigo que corre.

Hoje, o PRS não revela conflitos internos da dimensão da FNLA ou da CASA-CE, pelo que este momento devia ser aproveitado.

“Às vezes, passamos meses sem desenvolvermos actividades de vulto”, aponta um militante muito mediático no seio dos renovadores que aponta o seu dedo indicador ao Secretário Geral, como sendo pouco criativo.

O que tem salvado o PRS, acrescenta, são as aparições do seu presidente em sede da Assembleia Nacional. “Isso, sim, tem dado alguma visibilidade”, reconhece com nostalgia, ao referir que, com esta dinâmica, não será a fraude a ditar o que considerou “tombo do partido; será mesmo a nossa fraca prestação”.

A formação de quadros é apontada pelo nosso interlocutor como outro empecilho do crescimento desse partido; o único que defende o federalismo.

Com a emitente realização das eleições autárquicas, espera que o seu partido reveja também a sua ideologia. “Temos de ajustar o federalismo à nova realidade, a ser inaugurada com a institucionalização do poder local.

Selende, o triunfo dos renovadores no Huambo

No seio dos renovadores, há um nome que nos últimos meses tem dado algum fôlego e mostra de trabalho. Trata-se de Soliya Selende, representante máximo do PRS no Huambo. O jovem político, na sua forma, tem mostrado que realmente sabe o que quer, e dá mostra de ser um ‘real animal político’.

Se fosse no futebol, Selende já estaria noutras paragens. No Huambo tem sido um verdadeiro incomodo para os camaradas, com os poucos recursos que tem, o jovem tem-se desdobrado e vendido o seu peixe a todo custo. Mostra disso foi o número de pessoas que aderiram ao acto político, realizado recentemente pelo partido na cidade que dirige

PUB